Pular para o conteúdo principal

Doce relação

A palavra é o desvendar de emoções, a representação fonética e gráfica de nossa simbologia pessoal e compreensão do mundo. É pela palavra, portanto, que agimos e interagimos com o outro. É a arma que garante nossa sobrevivência como ser humano. Entretanto, às vezes, ela é impossível de ser registrada, falada e ouvida e há momentos que seu significado fica desordenado e oculto, sem que possamos manifestar o mundo que a contém.

Por essa dificuldade, lembrei da interação que o paciente possui com o seu dentista, enquanto este realiza o seu trabalho.

É provável que haja centenas de artigos falando sobre o relacionamento entre o odontólogo e seus pacientes, entretanto, deve haver também muitas maneiras de tratar o assunto, pois a sensibilidade e o ponto de vista de cada um difere segundo a posição que exercem em determinada circunstânca, ou seja, de médico e paciente.

Por exemplo, há a observação do dentista sobre o seu paciente e há a percepção interna do paciente, coisa que raramente é compartilhada entre os dois.

Fico me perguntando o que pensa o dentista, quando conversa conosco, enquanto ficamos com a boca aberta, olhos arregalados como se estivéssemos no extase da morte e algumas lágrimas surgindo inquietas até o canto da boca. Dobra-se as pernas, estica-se os dedos dos pés, mexe-se as mãos, embora seja imprescindível ficar imóvel com a boca aberta e os olhos à deriva, sem ter a quem ou a quê olhar.

Na verdade, olha-se para o dentista, no caso daquele que fica em pé e mira diretamente em nossa boca e por mais que nos esforcemos em desviar o olhar, ficamos à mercê daquele exame que investiga nossas entranhas, como um detetive atento a qualquer desvio de conduta de nossos dentes desaparelhados. Sentimos sua presença próxima, suas mensagens para que fiquemos de boca aberta (boca grande, eles costumam dizer), mesmo que nossa arcada seja pequena e dificulte qualquer abertura maior, produzindo uma câimbra, como se o maxilar fosse desabar em nosso pescoço e a boca se espichasse como numa obra de Picasso. Então, movimenta-se as pernas novamente, coloca-se um pé sobre o outro, as mãos segurando a poltrona e, algumas vezes, uma segura o sugador, o que produz uma exaustão como se passássemos os 90 minutos do jogo de futebol, defendendo a bola como um goleiro precavido.

Mas lá vai aquele surfar de ferramentas em nossa boca, um desafio aos ouvidos, como se o ruído ensurdecedor da broca latejasse dentro do cérebro, atingindo nossas percepções salivares (se é que isto existe), dando aquele arrepio de giz riscando o quadro. Para completar o quadro, a inserção de algodão e gases, a resina e outros materiais de acabamento, sendo moldados, lixados, examinados, molhados e a boca enchendo de água, como se o barco naufragasse e impossibilidade de vir à tona, tal qual a vontade de vomitar sem poder expelir o material gosmento que nos invade a garganta. Sem falar nas agulhas de anestesia e os pequenos cortes, quando necessários. Então nossas mãos se agitam e tem-se a impressão que o cirurgião-dentista tem um certo prazer, como se a tortura fosse inerente ao trabalho.

Por momentos, imagino que ele olha para o lado, esboça sorriso irônico, quase psicopata e volta-se para o paciente, dobrando o seu corpo sobre ele e pergunta: “tudo bem?”. Mas como responder, segurando o sugador, a outra mão enfiada num canto da poltrona e a boca escancarada, cheia de algodões e a sensação de que daqui a pouco, o mundo acaba.

Ainda há os ruídos do lazer, provavelmente colando a resina ou outro material adequado à restauração. Aquele cilindro empurrando a dentadura, produzindo um som metálico e intermitente, o qual nos deixa na expectativa de mais um, mais dois, graças a Deus, acabou e fechararemos a boca, mas o cirurgião espera mais um pouquinho. Certamente, com um sorriso satisfeito. Só mais um pouquinho para a coisa dar certo.

Claro, que não é bem assim, ou melhor, nada acontece deste jeito. Mas a fantasia do paciente é a de quem se submete à tortura, completamente indefeso, sem a sua única arma, que é a palavra. No entanto, o cirurgião-dentista deve ter várias histórias a contar, inclusive essas de pacientes que paralisam, alarmados com o olhar intenso sobre suas cabeças e perdidos esperam ansiosos que as horas passem e o processo termine. Uma interação interessante, no nível de pensamento. A única arma do paciente, que é a palavra, lhe é impedida pela situação, mas sabemos que tanto um quanto o outro possuem o mesmo objetivo, embora cada qual o atinja de uma maneira. Que fazer? Coisa do ser humano.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …