Pular para o conteúdo principal

A CASA OBLÍQUA - CAP. XXII

No capítulo anterior de nosso folhetim, Clara deduziu através da fotografia de dona Luisa, que a chave estaria na casa da praia, onde segundo ela, passara os dias mais felizes de sua vida. Neste dia em que ela mostrara a fotografia à Clara, lembrara também da mãe, Moema, com uma certa amargura. Assim começa o nosso vigésimo segundo capítulo, com a história de Moema, que voltava do correio.

Moema voltava com um embrulho nas mãos, um pacote envolvido em papel pardo, devidamente lacrado. Noutro envelope, uma fotografia do filho. Trazia-a na mão, parecendo carregar um bem precioso, olhando-a detidamente, caminhando tão devagar que Luisa pensou numa tragédia.

Vendo-a pela janela do porão, Luisa aventurou-se pela cozinha, seguida de Saymon. Coração bamboleando, tanto quanto as pernas. Um forte sentimento de culpa, uma pergunta intensa que lhe martelava o cérebro.

Moema chegou em casa, empurrou o pequeno portão de ferro, com um joelho, como quem ultrapassa apenas um pequeno obstáculo sem se dar conta e atravessou o jardim, dirigindo-se ao interior da casa. Entrou e sentou-se na poltrona, esticando as pernas, descansando os pés, tirando-os dos sapatos, empurrando-os com os dedos de um pé no tornozelo do outro, delicadamente, como a atividade mais importante daquele dia.

Luisa aproximou-se, vendo o pacote ao lado numa cadeira. Abaixou-se para ficar bem perto da mãe, colocando levemente a mão em seu ombro.

Moema permaneceu na mesma postura patética, sem mexer-se, apenas segurando a fotografia, examinando-a com o olhar vazio.

Saymon limitou-se a ficar na porta, observando a cena.

Luisa perguntou se ela estava bem. Moema não levantou a cabeça. Seu rosto estava mais magro e sombrio. Lábios apertados, aprofundando os sulcos.

Luisa levantou-se, tentando tocar no pacote, mas ela segurou-lhe o braço, olhando-a pela primeira vez.

Luisa insistiu:

— Mamãe, que significa este pacote? Por que a senhora está com o retrato de Lucas nas mãos?

Moema voltou a olhar a fotografia, soltando o braço de Luisa. Parecia extasiada, por momentos. Outros, ensandecida, com um brilho que provinha de uma mente perturbada.

Saymon acenou para Luisa, chamando-a. Aconselhou-a a deixá-la sozinha, esperar que o pai voltasse e talvez contatassem o Doutor Osvaldo.

Luisa, no entanto, estava ansiosa, precisava saber o que havia acontecido com o irmão. Aquele pacote deveria conter pertences de Lucas, além disso, enviaram a fotografia.

Luisa observava a mãe, tentando descobrir em alguma reação, o que acontecera, porém Moema continuava impassível. Vez que outra, procurava os sapatos, mexendo os pés, resvalando os dedos pelo assoalho. Quando os achava, enfiava a metade dos pés e ficava assim por alguns minutos, até voltar à posição inicial. Não tirava os olhos da fotografia, mantendo na retina a imagem amada e uma porção de sentimentos tumultuados. Talvez lembranças alegres, de momentos passados ao lado do filho. Meio que sorria com o canto da boca, como único movimento realizado.

Luisa pensou em ligar para o pai, mas a hora se adiantava, provavelmente fazia serão e não poderia se ausentar.

Esperou ao lado da mãe, que tomasse uma atitude.

Algumas vezes, dirigia-se a ela, trazendo um chá, outras indagava alguma coisa, chamando-lhe a atenção. Tudo era inútil e nada a movia do silêncio que se impusera.

De repente, sem mais nem menos, Moema declinou de sua postura, e falou amiúde, a princípio, calma, revelando uma paz que rotineiramente desdenhava.

Luisa correu ao seu encontro.

Saymon espiava da porta.

— Que disse mamãe?

Moema deu de ombros, displicente.

No rosto magro, os sulcos próximos à boca se suavizaram num sorriso, o olhar árido se adoçava e Luisa até pensou que ela a abraçaria. Ela porém, levantou-se da poltrona, segurando o pacote junto ao retrato e dirigindo-se à porta. Ao topar com Saymon, voltou-se para a filha e perguntou, surpresa:

— Quem é este?

Luisa indagou ainda sobre o irmão. Ela continuou sorrindo.

— Você não esquece? Lembra quando ele fez a primeira comunhão? Estava tão comportado, contrito. Eu mesma costurei a roupa dele.

Saymon aproximou-se de Luisa e abraçou.

Ela lamentou, chorando.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …