Pular para o conteúdo principal

Pessoas simples são mais felizes?

Outro dia, estava no ônibus rumo a Porto Alegre e ouvi uma conversa no banco da frente. Tratava-se de um senhor de uns 60 anos e de um rapaz que aparentava 30 anos. Na verdade, a idade não importa muito para o que vou dizer, apenas qualifica a diversidade de pontos de vista, por serem de gerações diferentes. Falavam entusiasmados em futebol. E olha, que não se declinavam em regras ou presumíveis mudanças nas posições de jogadores, dos times dos quais falavam. Comentavam com uma ingenuidade assombrosa sobre o estilo de vida dos jogadores citados. Falavam do modo como encaravam a vida, do dinheiro que possuíam, das festas e viagens que participavam e mais do que isso, davam palpites em suas maneiras de organizar o orçamento e sua vida particular, como se fossem íntimos dos atletas. Concordavam com o salário milionário que recebiam e discutiam se fulano ou beltrano deveria ganhar mais.

Depois de algum silêncio, engataram outra conversa. Agora satisfeitos com o desenrolar do programa do Ratinho, que mostrava a performance de um candidato a um quadro de calouros, que apresentava uma música composta por ele em consonância com o figurino colorido, que finalizava com uns chifres que faziam a apoteose do quadro.

Neste momento, davam longas risadas e percebia-se que riam com sinceridade, achando muita graça no que contavam um ao outro.

Eu, por meu lado, fiquei pensando no que ouvira e tirando algumas conclusões que de certo modo, me deixavam um tanto intrigado e até um pouco triste. Não por eles, que pareciam tão felizes com o pobre passatempo consumido.

Talvez tenha ficado triste por mim, como aquela eterna frase que Ernest Hemingway usou em seu maior livro, do poema do grande poeta inglês John Donne. Ele dizia que o homem não é uma ilha, cada partícula do continente, uma parte da terra. Enfim, que a morte de qualquer homem o diminui, porque faz parte do gênero humano. E por isso, a pergunta: por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.

É provável que a tristeza que senti tenha respaldo nesta mesma observação. Os sinos dobram também por mim, mas neste caso específico dos meus companheiros do ônibus, eles parecem não ter essa noção mais profunda da realidade e da vida.

Fiquei me questionando, que pessoas como eles, que não possuem instrução acadêmica ou que não tenham adquirido o conhecimento empírico e cultural, capaz de os fazer refletir, pensar e agir, alcancem nessa condição a capacidade de serem mais felizes.

Elas não possuem filtros para as suas conversas, para o que lhes transmite alguma satisfação, como o tal quadro do programa do Ratinho. Sentem-se livres para rir e se divertir sem qualquer reflexão. Na verdade, seu conhecimento cultural não os permite diversificar o que lhes vem às mãos. Eles sonham através dos outros, dos jogadores, dos artistas, dos cantores. Servem-se da diversão por ela mesma, sem se preocuparem com isso.

Nós, ao contrário, absorvemos em nossa faculdade intelectual a disposição pela grandeza e profundidade dos acontecimentos, dos questionamentos da vida, das percepções da alma e do subconsciente, o que só nos permite sonhar quando o devaneio acontece de forma implícita e calcada em nossas experiências pessoais.

De certo modo, perdemos a espontaneidade, porque refletimos e não nos divertimos com qualquer esquete de raso de conteúdo.

Há pouco para rirmos e se o fazemos, precisamos de uma boa dose de liberdade de conceitos.

É difícil ser feliz, quando conhecemos o cerne das coisas, quando aprendemos um pouco mais de ciência, de arte e da condição humana, acompanhado via de regra pelo filtro ético e moral.

Por isso, o homem simples vive numa outra dimensão, em que ele se torna interlocutor de tudo que rege a vida cotidiana, desde os seus prazeres esportivos, até suas escolhas de diversão.

É primário, é simples, ingênuo, mas livre das conveniências e por certo, os sinos não dobram por ele, porque nem se dá conta. Acho que são mais felizes.

Fonte da ilustração: Trond Abrahamsen in: www.pixbay.com

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

Lascívia

Este conto é um desafio de uma oficina online,
sobre a elaboração
de um conto erótico com o protagonismo masculino.

Carlos estava sentado na poltrona, ao lado da janela, entediado. Quem diria que ficasse assim, depois da reunião com os estagiários e as modelos excitantes que participaram da aula de pintura. Entretanto, nem a aula ou as mulheres faziam-no esquecer o homem que se atravessara na frente do carro, obrigando-o a parar quase em cima da calçada. Por um momento, imaginou tratar-se de um assalto, apesar da aparência de executivo. Mas quem poderia confiar num homem de terno e uma maleta embaixo do braço, hoje em dia? Dera uma desculpa, dizendo-se interessado em saber sobre as suas aulas. Carlos não respondera. Estava irritado demais para explicar qualquer coisa.
Levantou-se, pegou um café e voltou a sentar-se, olhando o deserto da rua que se alongava além da vidraça. Não chegava ninguém, era o que pensava. Entretanto, não demorou muito e bateram na porta.
Espiou pelo olho mágic…

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…