Pular para o conteúdo principal

Quem é este homem?

Que é este João? Quem é este eremita que viveu recluso no deserto para pregar às margens do Rio Jordão?

Que destino extraordinário por bem lhe coube de anunciar a chegada do Messias?

Quem era este homem que batizava, mergulhando as cabeças dos seguidores, tornando-os cristãos, e trazendo para o “reino” os que não acreditavam?

Quem era esse homem sem meias palavras, sem maniqueísmos ou dissimulações, que exigia a conversão verdadeira e o arrependimento real dos pecados? Que exigia uma vida digna e honrada dos que o seguiam? Que denunciava os vícios e as injustiças?

Quem era este menino que ficou em segundo plano, mesmo tendo vindo antes, com uma mensagem austera e fiel aos seu princípios?

Quem era este homem, que não se sentia digno de atar as correias das sandálias de Jesus? Que afirmou que Jesus viria com maior poder do que ele, e que não batizaria na água, mas com o Espírito e em fogo? Quem era este homem humilde que batizou o Mestre, induzido a ser o precursor, aquele que viria antes e que, através dele, Jesus consolidou a solidariedade para com os homens.

Quem era este homem que incomodava os poderosos?

Quem era este homem frágil e ao mesmo tempo vigoroso e veemente, que lutou contra as injustiças, contra a hipocrisia, contra as relações falsas do Imperador, sua amante e cunhada, a filha e troca de favores indignos. Um homem que não se abateu ante a força do poder, que enfrentou Herodes, a amante e rainha Herodias e sua filha Salomé, a ponto de colocar na berlinda, como prêmio, a sua cabeça decapitada.

Quem é este homem que preparou os caminhos do Senhor?

Quem é este homem que humildemente mostrou-se muito maior na própria grandeza humana e que se fez menor para cumprir a missão profética.

Este é João. O João Batista. O João que transformou o batismo, deixando um legado para os que preservam os valores da humildade, o ficar na penumbra para iluminar o outro, o arregimentar a construção, para que a moradia se estabeleça.

Que muitos Joões surjam e preparem no seu anonimato, os caminhos da liberdade, do auxílio aos oprimidos, da compreensão de que dar o peixe significa pouco, mas é uma maneira de alimentar não somente o corpo, mas a alma, para que se aprenda com o exemplo.

Queria ser um João, sem ter a presunção de seu protagonismo e sua santidade, sem sua força profética, sua missão, seu messianismo. Queria ser um pouquinho de João, com a coragem de gritar às injustiças, de mostrar as incongruências da sociedade emburrecida, de lutar com garra pela insensatez de aceitar o feio, o faminto, o marginalizado, o craqueiro, o invisível, sem a náusea característica dos que só aceitam o belo, obtusos à realidade que nos cerca.

Queria ser um João agitador, agressivo, impetuoso, mas acima de tudo, um homem de Deus, da paz, da verdade, um mártir. Ou seja, um black bloc às avessas (e sem máscara), cuja única destruição seria a dos preconceitos e da manifestação manipuladora.

Ele usou as ferramentas da palavra, do discurso inflamado, do apontar o erro sem medo e sem disfarces, baseado na fé e na verdade. Que usemos também as que temos ao nosso alcance para alimentar um mundo novo, sem tanta mágoa, decepção, dor, pobreza, miséria, abandono, preconceito, mentira. Ferramentas da escrita, da voz, da ação, do trabalho, da oração. Enfim, um pouquinho de João é suficiente para aplainar o mundo que o Mestre deixou.

Oração a São João Batista

Glorioso São João Batista, que fostes santificado no seio materno, ao ouvir vossa mãe a saudação de Maria Santíssima, e canonizado ainda em vida pelo mesmo Jesus Cristo que declarou solenemente não haver entre os nascidos de mulheres nenhum maior que vós; por intercessão da Virgem e pelos infinitos merecimentos de seu divino Filho, de quem fostes precursor, anunciando-o como Mestre e apontando-o como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, alcançai-nos a graça de darmos também nós testemunho da verdade e selá-lo até, se preciso for, com o próprio sangue, como o fizestes vós, degolado iniqüamente por ordem de um rei cruel e sensual, cujos desmandos e caprichos havíeis justamente denunciado.

Abençoai todos os que vos invocam e fazei que aqui floresçam todas as virtudes que praticastes em vida, para que, verdadeiramente animados do vosso espírito, no estado em que Deus nos colocou, possamos um dia gozar convosco da bem-aventurança eterna. Amém.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

Lascívia

Este conto é um desafio de uma oficina online,
sobre a elaboração
de um conto erótico com o protagonismo masculino.

Carlos estava sentado na poltrona, ao lado da janela, entediado. Quem diria que ficasse assim, depois da reunião com os estagiários e as modelos excitantes que participaram da aula de pintura. Entretanto, nem a aula ou as mulheres faziam-no esquecer o homem que se atravessara na frente do carro, obrigando-o a parar quase em cima da calçada. Por um momento, imaginou tratar-se de um assalto, apesar da aparência de executivo. Mas quem poderia confiar num homem de terno e uma maleta embaixo do braço, hoje em dia? Dera uma desculpa, dizendo-se interessado em saber sobre as suas aulas. Carlos não respondera. Estava irritado demais para explicar qualquer coisa.
Levantou-se, pegou um café e voltou a sentar-se, olhando o deserto da rua que se alongava além da vidraça. Não chegava ninguém, era o que pensava. Entretanto, não demorou muito e bateram na porta.
Espiou pelo olho mágic…

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…