Pular para o conteúdo principal

A fotografia da vida de Santa - CAP. 11

Hoje é sábado, por isso, publicamos a seguir o décimo primeiro capítulo de nosso folhetim dramático. Sempre publicamos um capítulo na terça-feira e o outro no sábado. Bem, vamos fazer uma síntese do capítulo anterior. No décimo capítulo, Santa fizera um balanço sobre os desdobramentos da reunião familiar, na qual impora algumas condições à família, ao bispo Martim e à Linda. Estava preocupada e um pouco confusa. Não sabia se o que estava fazendo era o correto para a situação. Entretanto, Sandoval decidira fazer uma reunião sem a sua presença, nem a de Linda, o que lhe produzia um sentimento de desconfiança. Por isso, pedira à Linda que se escondesse na biblioteca e ficasse a par dos acontecimentos. Quando a reunião começara, ela tinha ido à igreja. Sandoval, como um trunfo para derrotar as condições de Santa, dissera à família que ela estava louca.

Portanto, a seguir o nosso décimo primeiro capítulo, com a pergunta de Letícia. Divirtam-se, amigos!

Capítulo 11

— Como louca? O senhor é que enlouqueceu, por que está dizendo esta bobagem?

— Voces acham que ela viu a tal Nossa Senhora? Vocês acham que a bússola apontava para aquela comunidade, ora pelo amor de Deus, só por aí, dá para perceber que ela não está no seu juízo normal!

— Eu estou com o sogro, sempre achei muita maluquice por parte de dona Santa esta coisa de visão, de missão, de querer mudar a gente.

— Cale a boca, Ricardo. – Letícia volta-se indignada para o pai – Escute aqui, papai, mamae pode estar estressada, talvez até a visão seja coisa da cabeça dela, afinal, ela é tão religiosa, tão carola, mas chegar ao ponto de acusá-la de demência, é demais!

— Eu sei minha filha, talvez eu esteja exagerando, talvez você tenha razao, mas veja bem ao caos que este capricho está levando a família. Não podemos ficar presos às atitudes insanas de sua mãe. Vocês se lembram qual era a verdadeira missão dela, inicialmente? Deveria juntar-se a uma comunidade de anarquistas, na ilha, depois às comunidades carentes que vivem nas redondezas, por fim, decidiu impor condições à família, exigindo mudanças no nosso comportamento. Ela não tem um rumo certo, não sabe onde chegar.

— E onde o senhor quer chegar papai? – pergunta Alfredo, desconfiado.

— Por favor, Alfredo, não me olhe com esta censura, sei que você ama a sua mãe...

—Todos a amamos, papai. – conclui Letícia, aborrecida.

— Sem dúvida, sem dúvida. Eu também a mãe de vocês, ela é uma mulher maravilhosa. Só está um pouco perturbada e nós temos a obrigação de ajudá-la. Entretanto, meus filhos, por mais que isso pareça duro e desumano, eu não posso deixar de pensar nos bens de nossa família, na indústria que mantém o patrimônio vivo. Do jeito que está, ela vai nos levar à falência.

— Como assim? Explique-se melhor, papai. – Letícia indagava ansiosa, ao mesmo tempo que voltava-se para Tavinho, que parecia muito à vontade com a situação. Por que ele não dizia nada, pensava.

Sandoval prosseguiu com uma voz entrecortada e triste. Às vezes, mostrava-se mais seguro, embora fizesse questão de informar de algum modo que aquela situação o magoava muito.

— O que eu preciso afirmar a vocês e quero que entendam a minha situação, é que sua mãe não pode dividir a herança, não pode dispor da parte dela para doar para esta comunidade. E ela é bem capaz disso, está convicta, diz que a Virgem exigiu. Imagine, se ela comete uma loucura destas, nós todos estaremos perdidos! Porque, pensem bem, eu tenho certeza de que nós jamais faremos o que ela deseja, por mais que tentemos, é impossível. O ser humano não muda, nós já temos os nossos hábitos arraigados, a nossa vida particular e não somos nenhuns monstros. – olhava em torno e perguntava, pedindo socorro. – Concordam comigo? Podemos até melhorar as nossas condutas, mas fazer a mudança que ela quer, é impossível. Já pensaram nisso, meus filhos?

Tavinho então decidiu intervir, sendo acompanhado pelo olhar de Letícia.

— De minha parte, papai, eu já nem pensava nessa bobagem. Eu jamais trabalharia na fábrica como ela quer e nunca vou deixar o meu curso ou mudar de profissão.

— Pois muito bem, Tavinho corrobora com o que eu digo. A gente não consegue, pessoal, por mais que nos esforcemos. Vamos melhorar sim, pelo bem da família, por sua mãe, mas jamais mudar completamente e ela, se vocês se lembram, foi bastante clara: ou nós mudamos ou ela entrega toda a forturna e vocês sabem que ela é bem capaz disso.

— E o que o meu sogro sugere?

— Eu vou ser muito franco, meus filhos, com o coração doído, mas muito racional e lúcido. A minha proposta é que consideremos oficialmente a sua mãe como uma mulher incapaz.

— Como assim? Ela é uma mulher lúcida, em pleno gozo de seus direitos e deveres, uma mulher que sabe o que quer, uma deusa da sociedade, da elite.

— Eu sei leiticia, eu sei. E já acrescentei que é com o coração doído que proponho isso, mas é a única solução. Precisamos provar que sua mãe está incapaz de decider qualquer coisa em relação ao patrimônio de nossa família, que está mentalmente perturbada, para evitar este desastre!

Ao ouvir a declaração de Sandoval, Alfredo intervém, indignado:

— Eu não acredito no que estou ouvindo, o senhor quer que a gente assine embaixo que nossa mae louca! O senhor é um canalha, papai!

— E você o que é Alfredo? O que você fez para ajudar a família, a não ser se esconder nesta carapaça estranha de efeminado?

— O senhor sempre quis dizer isso, não é verdade? O senhor sempre me odiou!

Ricardo percebendo que a discussão envereda por um tema que pode mudar o objetivo de Sandoval, com o qual concorda, interfere tentar conciliar os ânimos.

— Calma, pessoal, olhe, Alfredo, se a gente pensar friamente, com racionalidade, percebemos que seu pai tem razão. Você acha que não é duro para ele também nos falar sobre isso? Eu vi o sofrimento na fisionomia dele.
Sandoval o olhou, um pouco surpreso. Em seguida, voltou-se para Alfredo que gritava com raiva:

— Não é nada disso, será que vocês não enxergam? Ele quer é se livrar dela!

— Não diga isso, Alfredo. Eu amo a sua mãe, apenas não suporto a ideia de ficar na miséria. É crime isso? É crime tentar proteger o nosso patrimônio, a nossa vida em família? – E falando mais pausadamente – Vocês tem uma vida econômica boa, não há dúvidas, entretanto, todos sabemos que ainda precisam de nossos bens. E depois, tudo isso é de vocês! Se ela dividir o patrimônio, caberá uma parte menor a cada um. Então, qual é o problema, não vamos fazê-la sofrer, ela não precisa saber de nada no início, eu tenho um bom advogado, o doutor Orestes e ele acertará todos os trâmites para que a coisa saia a mais tranquila possível, sem atropelos, sem que apareça na imprensa, tudo na surdina.

— Parece que o senhor já encaminhou tudo, papai. – conclui Alfredo, desolado.

— Eu preciso do apoio de vocês. Ela não vai sofrer e aos poucos, cairá na realidade. Isso de visão da Virgem vai passar, vocês verão. Além disso, podemos fazer uma viagem pela Europa, passar um tempo juntos, até baixar a poeira. Tenho certeza, de que sua mae voltará renovada, uma outra mulher.

— Não sei não, mas que seria um alívio, seria. O que você acha, Tavinho?

— Partindo de você, Letícia, a mais revoltada de todos, dá o que pensar. Se não vai fazer mal à mamãe, por que não pensar no assunto?

Ricardo os observa e conclui a ideia, satisfeito:

— E tudo voltaria ao normal, a paz reinaria no seio familiar. Seu pai teve uma grande ideia, Letícia.Não acha?

— Agora, eu entendi tudo, entendi a ausência de mamãe, você preparou tudo, papai. Você foi cruel, desumano. Não papai, muito pior, você a traiu! Aliás, é moda no Brasil este tipo de traição, não é?

— Alfredo, eu precisei fazer isso. A sua mãe está em outro mundo, ela só pensa naquela gente infeliz, naquela comunidade de gente suja e medonha, que só vem perturbar a nossa família. Está na hora, meu filho, na hora de reagirmos. Infelizmente, é a sua mãe que está na roda, mas foi ela que criou esta história absurda, ela nos enredou nesta trama terrível. Por causa dela, vamos prejudicar toda a família. Ela pensa que uniria a família, mas ao contrário, essas condições destruirão odos de uma só vez, caso consiga o seu objetivo. Isso desagregará a família e vai acabar nos separando. Eu não quero isso!

Letícia, parecendo concordar com a proposta de Sandoval, tenta convencer Alfredo. Tavinho absorto, apenas observa o grupo, sem muito interesse.

— Vamos, Alfredo, procure tirar a mamãe desta história toda. O que papai propõe não é contra ela, é a favor da família, entende?

— É impossivel, Leticia, mamãe é o pivô de tudo que está acontecendo. E é com ela que a bomba arrebenta.

— Eu sei, eu sei, meu irmão. Mas lembre-se que não vai acontecer nada de mal a ela, como você pensa, apenas ela ficará alheia às decisões. Tenho certeza de que ela nos agradecerá no futuro.

— Você se convenceu depressa, convenhamos.

— É a vida, meu irmão. Mamãe se meteu onde não devia. Ela arriscou demais. Nós agora, queremos que tudo permaneça como antes, com ela ao nosso lado, mas sem interferir no nosso destino. Pensa bem o que sua irmã experiente está lhe dizendo, você continuará a sua vida, sem prestar contas a ninguém, não é maravilhoso? É a liberdade que ela nos tirou!

Tavinho aproxima-se um pouco dos demais e intercede:

— E depois, isso não ia dar em nada, Alfredo. Mamãe não tem experiência em lidar com pobre, assim, diretamente, como ela queria. Ela ia quebrar a cara.

— Você também, Tavinho, você está a favor desta crueldade?

— Não, eu lavo as minhas maos. Mas de todo modo, que tudo aconteça sem a minha presença, só para assinar alguma coisa, se necessário. Não quero me envolver nestas coisas de papeladas, de burocracia. Quero viver a minha vida, meu irmão.

— Então cunhado, já tomou uma decisão? – Dirigindo-se a Alfredo.

— Eu não sei o que fazer. Adianta eu me recusar?

— Meu filho, segundo o dr. Orestes, todos devem assinar os testemunhos. Está tudo pronto, basta que assinem concordando.

— Quando ela descobrir, ela vai nos odiar! – exclama Lavínia.

— Sua mae nunca os odiará, ao contrário, ela vai entender e certamente se ligará ainda mais à religião. Isso será uma benção, pois teremos a Santa que sempre conhecemos e o senso comum se restabelecerá. Esteja certo, meu filho, eu que convivo com a sua mãe, vinte e quatro horas por dia, tenho certeza de que esta é a saída para a saúde mental dela. Ela está a cada dia mais alucinada e este estresse alto vai levá-la a uma doença mais grave, vocês tenham certeza. Tudo o que fizermos responderá na saúde mental de sua mae. É a única maneira de salvarmos de uma depressão galopante ou de algo pior.

— Está bem. Eu concordo, mas com uma condição, que façam a papelada sem que ela sofra, de modo algum. Eu não quero minha mãe achando que está louca realmente e que nós a abandonamos. – conclui Alfredo, melancólico.

— Ao contrário, meu filho, ao contrário, estaremos cada vez mais perto, mostrando-lhe a realidade. – E emocionado. – Meus filhos, só eu sei o quanto tenho sofrido e escondido de vocês esta realidade, mas Santa às vezes, nem me reconhece. Outras vezes, fica completamente calada, e eu fico muito tempo esperando que melhore. Houve tempo em que eu lhe lia alguns livros para que se sentisse melhor, afinal ela sempre foi uma boa leitora. Mas graças a Deus, ela tem melhorado, até que começou a falar nesta visão escabrosa.

Letícia aproxima-se, emocionada e abraça o pai. Chama em seguida os irmãos e pede que façam o mesmo, afinal, trata-se do bem-estar da família e da saúde mental da mãe. Só agora ela percebera o quanto o pai estava sofrendo. Portanto, é hora de se unirem e fechar o pacto.

Alfredo arrasta-se da poltrona, desanimado, mas mesmo assim, completa o abraço unindo-se aos demais.

Sandoval enxuga algumas lágrimas, afastando-se do grupo, mas é interceptado pelo genro que o abraça efusivamente.

Atrás da cortina, Linda desliga o gravador do celular.

Fonte da ilustração:https://pixabay.com/pt/análise-pagar-empresários-reunião-626881/Geralt

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

O URUGUAI E SEUS CARROS ATRAENTES

http://O URUGUAI E SEUS CARROS ATRAENTES

O Uruguai é um país muito bonito e como integrante da América, cheio de contrastes, sem dúvida. Mas o que me chama a atenção, sempre que visito aquele país, além da hospitalidade e elegância de seu povo, é a a maneira como as autoridades de trânsito permitem que determinados veículos sejam dirigidos nas estradas. Na verdade, a obediência às leis me parece muito bem orientada. É um povo tranquilo, que conduz seus veículos obedecendo as regras. Todavia, o que sempre me deixa intrigado são os inúmeros carros velhos, danificados, em precárias condições para transitar, que ainda vez que outra surgem nas rodovias. Por isso, tirei algumas fotos para ilustrar esta curiosidade. É uma peculiaridade de comportamento, da qual é provável que sirva de tema a muitos blogs, no entanto quero deixar aqui, às vezes a minha perplexidade, por observar estes “automóveis” andando.
Em tempo: estou torcendo pelo Uruguai, nesta copa, assim como muitos brasileiros, ac…