Pular para o conteúdo principal

A HIDROGINÁSTICA E A SELEÇÃO MUSICAL. INFORTÚNIOS.

http://kbimages.blogspot.com/url-code.jpg Às vezes, fico me perguntando por que as pessoas tem a mania de achar que alguns grupos são imbecis. Já explico. Falo dos grupos de jovens, de adultos, da terceira idade (expressão que abomino, mas enfim “minima de malis”). Em geral, os responsáveis por certos grupos costumam emparedá-los, esta é a palavra certa, no mesmo padrão unificado e mumificado de suas mentes deturpadas. Por exemplo, me considero na idade adulta, ainda não cheguei à terceira por pura cronometria, e não teria a menor dificuldade em pertencer ao grupo. No entanto, as pessoas que lideram os grupos, no caso da hidroginástica que participo têm lá suas ideias preconcebidas do que é adulto mais passado no tempo, ou seja, idoso, velho. Gosto de música, adoro vários gêneros, sou eclético, nada hermético ou metido a conhecedor de vasto repertório musical. Por outro lado, curto mpb, como Djavan, Chico naturalmente, Gal Costa, Leci Brandão, Gilberto Gil, Raul Seixas, Zizi Possi, Rita Lee, Céu, Marina de La Riva, Aline Calixto, Buena Vista Social Club, Maria Rita, Gadu, Diogo Nogueira, Amy Winehouse, Johnny Mathis, Burt Bachara, Giogliola Cinquenti, Toquinho, Vinicius, Sarah Vaugan, Nando reis, Maria Bethania, Ivan Lins, Elis Regina, Tom Jobim, Maysa, Quarteto em Cy, The Beatles, Armandinho, a maioria dos temas de filmes orquestrados de várias décadas até “Charade” de Gary Hughes a “...e o vento levou”. Então, não tenho frescura pra música. Gosto das clássicas que me emocionam e das populares que também tocam fundo na alma. De todo modo, voltando aos organizadores da seleção musical da hidroginástica, volto a afirmar que desconhecem o gosto musical dos frequentadores ou pelo menos, padronizam todos no senso comum. E qual é o senso comum? É a idade de uma época musical passada, com algum movimento, algumas alegorias que permitam aos pretensos alunos absorverem calados e taciturnos, mergulhados na depressão de épocas passadas. Por exemplo, jogam suas teorias na piscina e as mergulham nos ouvidos de todos, entupindo de sons esquizofrênicos, as tais propaladas músicas da jovem guarda. Um movimento alienado, que se vendeu para a ditatura, para vender discos e camuflar as musicas de protestos, exaltando o Brasil com a condição de amá-lo ou deixa-lo, o Brasil que ia pra frente, atrás da seleção brasileira e das obras monumentais como a transamazônica (a destruidora do meio ambiente, dos índios, a desbravadora do nada que não foi a lugar nenhum). Pois é, essas são as músicas inspiradoras que embalam os pobres alunos da hidroginástica e o pior é que alguns gostam. Que fazer, há que se compreender a alienação cultural e política ou mesmo o mau gosto musical. Então, vai “deixa essa boneca, faça-me o favor, deixa isso tudo e vem brincar de amor”, ou doce, “doce amor, onde tens andado, diga por favor”; em seguida: “meu calhambeque, bi,bi”. Bi, bi, eu tenho vontade de apitar, mas com uma vuvuzela bem estrondosa! Mas fico ali, tentando me organizar nos movimentos, e procurando não ouvir, muito menos decorar qualquer papagaiada que surja! Depois dessa bordoada emocional, vem outra, com a letra mais rasa que já se ouviu: “Bruno e Marrone”, com o seu “guarda e a praça”. Aí se exacerba sertanejo universitário e o os olhinhos molhados da piscina brilham intensamente. Então, eu me pergunto, quando que estes sertanejos universitários vão se formar? Pois será quando irão embora, pra sempre! Finito! Pra completar, vêm as marchinhas: “mamãe eu quero”, “a pipa do vovô”, “jardineira”. Será que eles pensam que vai baixar o espírito da Carmem Miranda distribuindo bananas (para acalmar as câimbras) e balangandãs aos alunos? Um dia desses, respirei fundo, expirei todos os sertanejos e marchinhas de minha circulação e reclamei. Perguntei ao professor por que não colocavam um Armandinho, um Nando Reis ou até uma batida qualquer, só pra gente alongar as canelas. Ele me olhou de um modo estranho, meio aturdido. Acho que ficou refletindo duas noites sem parar. Noutro dia, ligou a rádio, e deu semente, semente, semente... Eu curti, os outros ficaram tontos. Mas eu prometo pra mim mesmo, vou levar Armandinho e sugerir “Ó minha maconha” Ó minha maconha, Minha torcida, Minha querida, Minha galera, Minha cachoeira, Minha menina, Minha flamenga, Minha capoeira, Ó minha menina, Minha querida, Minha galera, Ó minha maloca, Minha larica, Minha cachaça, Minha cadeira, Minha vagabunda, Minha vida, Minha lambengue, Minha ladeira, Ó minha menina, Minha querida, Minha valéria, Minha torcida, Minha flamenga, Minha cadeira, Pó,pó,pó,pó... Ó minha maconha, Minha torcida, Minha querida, Minha galera, Minha vagabunda, Minha lambengue, Minha beleza, Minha capoeira, Ó minha menina, Minha querida, Minha valéria, Minha torcida, Minha flamenga, Minha cadeira, Ó minha maconha... Não é excelente pra se fazer todos os movimentos na piscina? Mas se censurarem, coloquem “Morena de angola”, do Chico, que é bem balançada. Garanto que preferem “Mulheres de Atenas”... (Infortúnio! – como diz a Funéria.)
Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …