A ARMADILHA

Era magro, alto, estapafúrdio. Cabelos loiros, nariz adunco, olhar disperso. Vestia-se com primor. De nome Eugênio, julgava-se o espírito inspirador. Mais velho do que nós, esnobava qualquer gesto que imitasse seus artifícios. Esperto, namorador, conquistador das meninas do bairro.

Nós, os da turma de baixo, não passávamos de crianças e devíamos como tal sermos tratados. Às vezes, aos sábados, em pé de conquista, passava como quem flutua, olhando ao longe, pesquisando os desafios e a melhor maneira de vencê-los. Era meu vizinho, mas somente se relacionava com os de sua idade. Nós, entre os 10 e 12 anos nos preocupávamos com o destino do Agente 86, das peripécias do Major Nelson da Jeannie, dos pequeninos de Terra dos Gigantes, das vilanias do Dr. Smith dos Perdidos no Espaço ou das brincadeiras de luta livre que faziam parte de nosso cotidiano.

Eu sempre fui observador e no meio de toda a barafunda de aventuras, arriscava-me em analisar as atitudes dos que me cercavam: Seu Alencar da fruteira, Dona Judite da mercearia, Seu Joaquim da padaria, as vizinhas solteironas que rebuscavam-se em salamaleques na cata de fofocas, nas atitudes arrogantes de Eugênio.

Talvez porque gostasse de escrever, inventar histórias onde este universo do cotidiano povoasse a minha mente imaginosa.

Vez que outra, Eugênio se lançava em descobertas mirabolantes: de uma feita, inventou que a lua sumiria brevemente do firmamento, em função de um transtorno espacial, providenciado pelas irradiações das usinas elétricas.

E olhe, que naquela época nem se falava em ecologia ou preservação do meio ambiente. Inventava absurdos como ninguém para deixar-nos maravilhados pelas descobertas incríveis que fazia. Baseava as suas descobertas nas informações de radio-amador do pai, noticias que jamais acompanharíamos pelo radio ou pela tevê.

Noutra oportunidade, informou-nos que havia captado uma descoberta assombrosa, mas que não tínhamos idade para a revelação: éramos pequenos, bobos e imaturos. Deixou-nos dias na expectativa.

Falava de sombras que se agigantavam à noite, tudo muito vago, e que tomariam conta do espaço, escurecendo posteriormente o dia. Havia, segundo ele, um motivo extra

terreno, além de um procedimento que impediria tal ocorrência, mas que somente ele tinha acesso e que jamais nos contaria. Eu tinha muitas dúvidas, afinal, era muito saber, muita pesquisa, para quem havia repetido várias vezes de ano, que só pensava em namorar e tirar vantagens.

Um dia, disse-lhe que eu também tinha uma descoberta fenomenal, de acordo com os meus parcos conhecimentos e que para expô-la completamente, deveria exercer na prática os seus efeitos. Ele riu na minha cara, desautorizou qualquer conhecimento na frente de meus amigos e afastou qualquer hipótese de praticar uma experiência. Então, disse-lhe que mais dia, menos dia, ele seria o protagonista da experiência. Não desconfiaria como, nem quando, mas a solução do problema viria através de suas mãos, ou pés, quem sabe. Deixei no ar a questão: qual a força que faz com que um homem de 70 kg despenque no chão, sem que para isso, exerça qualquer esforço. Naturalmente que ele respondeu que era a força da gravidade, ao que os colegas juntamente concordaram. Eu disse que ele poderia estar certo, mas a segunda parte da experiência, seria feita por ele, num momento em que ele jamais esperasse.

Então planejei tudo silenciosamente. Atravessei a calçada no entardecer de um sábado, um daqueles dias em que Eugênio passava em frente da casa todo engomadinho, visando a caça do fim de semana. Como era região de praia, a areia era solta, não havia pavimento, ideal para executar a minha tarefa.

Sentei-me o chão, já preparado com uma pequena enxada, que tirara das ferramentas de meu pai e um balde de água. Cavei um buraco bem fundo, com uma circunferência pequena, constituindo uns 50cm, no formato redondo. Acomodei as paredes, fazendo uma perfeita cratera, bem alinhada. Derramei generosamente a água. Fabriquei uma tampa com hastes de taquara, previamente cortados. Depois, estiquei o papel de embrulho, perfazendo toda a extensão da circunferência, espalhando a terra por cima, de maneira uniforme, até encobrir totalmente o papel. Assobiei para os amigos que jogavam pelada do outro lado da rua e sentei-me encostado no muro de casa, à espera do acontecimento.

Os guris correram, ouviram o meu relato breve, cheio de suspense. Teríamos em seguida, a solução da experiência: a força que atrai o homem para o solo, tendo ainda com uma questão reserva: poderia haver um dispositivo que precipitasse tal acontecimento?

Os meninos estimulados queriam saber o que eu havia feito, que tipo de coisa estava planejando? Queriam respostas, interessados em que estavam no desfecho.

Alguns, contrariados, queriam voltar ao jogo, embora quisessem saber o resultado.

Eu pedia que esperassem, que tivessem calma, o momento chegaria e não tardaria muito.

Estava certo.

Em seguida, surgiu no alto de seu eterno esnobismo, Eugênio, desta vez de calça branca, camisa de seda vermelha, envolto numa atmosfera de satisfação própria e orgulho.

Caminhava austero, cabeça pro alto, nariz adunco, levantado, meio sorriso de sabedoria e esperteza. Passos certos, seguros, precisos. Nem nos olhou, preocupado em que estava em sua própria figura. Nós estávamos de olhos, bocas e ouvidos grudados em sua silhueta. Meu coração disparava desenfreado. Minha boca estremecia, meus olhos se agigantavam na pupila.

De repente, o extraordinário, o impossível aconteceu.

Eugênio enfiou vigorosamente o pé no buraco, falseando o corpo, desequilibrando e caindo ao chão, sujando de lama as calças, enfiando a cara na areia.

Caímos na gargalhada em uníssono, rindo sem parar, enquanto ele esbravejava, acusando-nos de ter feito a armadilha.

Entre risos, eu o desafiava, argumentando que ele protagonizara a solução do problema. Um homem despenca no chão, quando a força da gravidade o impele, principalmente se existe um dispositivo técnico para isso. Ou apenas, a incerteza do destino, completei.

Ele nos olhou amuado, afastou-se jurando vingança, gritando impropérios, ameaçando queixar-se aos nosso pais.

Nunca mais ouvimos as suas descobertas fantásticas, ou nos deparamos com o seu jeito soberbo de nos tratar.

Dali para frente, deixamos de lado a figura de Eugênio, embora eu ainda o cultivasse em meus escritos, cada vez com nuances mais exacerbadas.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

PIOLHOS DE RICO

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros