Pular para o conteúdo principal

IOLANDA

Fonte da ilustração: Aravind kumar, do site https://pixabay.com

Iolanda desceu as escadas lentamente. Na rua, um silêncio absurdo parecia isolar a praça do resto do mundo. Espiou pela porta do prédio e viu o ambiente amplo, completamente vazio. Sombras de árvores deitavam em bancos de pedra. Alguns caminhos irregulares. Afastou a porta devagar, deslocando-se em ritmo lento pela calçada. Estava sôfrega.

Um cansaço parecia acumular-se nos ombros. Aflita dirigiu-se à praça, atravessando a avenida deserta. Que horas seriam? Mais de 3 horas num numa madrugada qualquer da semana, sem qualquer possibilidade de movimento. Um cão ladrava ao longe e uma pequena brisa começava a sacudir as folhas das árvores. Olhou para o alto. A lua desaparecia lenta, por entre nuvens e o céu tomava um negrume extraordinário. Se não fossem as luzes da cidade, tudo estaria numa escuridão total.

Decidiu sentar-se e a madeira do banco martirizava a sua coluna. Mexia o corpo para frente, de vez enquanto para apaziguar a dor. Se pudesse, voltaria para o apartamento, aliás, se pudesse, voltaria ao passado.

Chegaria em casa e observaria Samuel estirado na cama desfeita, com o corpo seminu, o dorso à mostra e algumas roupas na cadeira, à espera do dia seguinte. Retiraria a carteira do bolso com cuidado, tentando não acordá-lo e perscrutaria tudo que houvesse ali dentro: documentos, alguma fotografia, talvez pequenas anotações e até dinheiro. Não mexeria em nada. Apenas olharia com a calma dos inocentes, como dizia o poeta. Alisaria a carteira junto ao peito, como se fosse um bem precioso e depois a devolveria, com o mesmo cuidado e carinho. Mais tarde, se deitaria ao seu lado e talvez nem dormisse; apenas ficasse observando-o como quem observa um deus. Um deus não deve ser observado, pensou, ele é quem observa, quem abençoa e traz a paz.

Ele é quem ama e cuida e protege e conforta o bem amado. Ela era apenas o ser que se sentia protegida, o ser que só existia em função daquele deus.

Agora, porém, não podia voltar atrás. O passado não lhe pertencia mais. O segundo atrás já não era seu. O mundo girava e a vida prosseguia, mas o ritmo não era seu. Por mais que se esforçasse estava ali, parada naquela praça escura e sem ninguém e como gostaria de ser possuída, estuprada, vilipendiada para ter o que realmente lhe pertencia: o nada. Nada ser, nada possuir, nada pertencer.

No entanto, tudo se resumia àquela pasmaceira da leve brisa que nem revirava as folhas nem lambia a testa, por mais que esperasse um bafejo qualquer, um suor do clima, uma lágrima do sereno. Se houvesse neblina e turvasse a noite, se ela desaparecesse na confusão de folhas, árvores, lama, postes, prédios e luzes, quem sabe o nada sobressairia na sua presença. Tão intensa e real como as outras.

Daqui a pouco, luzes viriam e a madrugada também seria passado. Daqui a pouco, voltaria para o velho apartamento e tudo seria o que sempre foi: o bradar do deus e o curvar-se à voz. Entretanto, mesmo amando e obedecendo, sabia que Samuel não mais a olharia com qualquer afeto ou demonstraria qualquer proteção. Sabia que veria a indiferença cada vez mais escancarada e sua boca se abriria para desfazer o pouco que lhe restara: alguma dignidade.

Agora, ele era pai. Não o amado, o homem que a subjugara pela atração física e paixão, o amante, mas sim o pai de um filho que não era seu. Com uma mãe, que não era ela. E lhe dissera com todas as letras e fonemas.

Quando o dia aos poucos surgiu, Iolanda fez o caminho inverso.

Olhou para o alto e ainda avistou uma estrela quase sumindo, dando lugar ao azul ainda escuro. As árvores da praça agora sacudiam mais forte, o vento até zunindo nos ouvidos. Os cães silenciaram e ela não mais sôfrega, nem cansada, só vazia, começou a afastar-se da praça.

Atravessou a avenida, onde despontavam alguns carros na primeira sinaleira e espiou pelo vidro da porta do prédio. O porteiro parecia dormir no balcão.

Abriu a porta, fingiu não vê-lo e subiu a escada devagar, deslocando-se na direção do apartamento.

Empunhou a maçaneta, girou-a, entrou, dirigiu-se ao quarto. Viu Samuel estirado na cama desfeita, com o corpo seminu, o dorso à mostra e algumas roupas na cadeira, à espera do dia seguinte. Sentou ao seu lado e esperou.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …