IOLANDA

Fonte da ilustração: Aravind kumar, do site https://pixabay.com

Iolanda desceu as escadas lentamente. Na rua, um silêncio absurdo parecia isolar a praça do resto do mundo. Espiou pela porta do prédio e viu o ambiente amplo, completamente vazio. Sombras de árvores deitavam em bancos de pedra. Alguns caminhos irregulares. Afastou a porta devagar, deslocando-se em ritmo lento pela calçada. Estava sôfrega.

Um cansaço parecia acumular-se nos ombros. Aflita dirigiu-se à praça, atravessando a avenida deserta. Que horas seriam? Mais de 3 horas num numa madrugada qualquer da semana, sem qualquer possibilidade de movimento. Um cão ladrava ao longe e uma pequena brisa começava a sacudir as folhas das árvores. Olhou para o alto. A lua desaparecia lenta, por entre nuvens e o céu tomava um negrume extraordinário. Se não fossem as luzes da cidade, tudo estaria numa escuridão total.

Decidiu sentar-se e a madeira do banco martirizava a sua coluna. Mexia o corpo para frente, de vez enquanto para apaziguar a dor. Se pudesse, voltaria para o apartamento, aliás, se pudesse, voltaria ao passado.

Chegaria em casa e observaria Samuel estirado na cama desfeita, com o corpo seminu, o dorso à mostra e algumas roupas na cadeira, à espera do dia seguinte. Retiraria a carteira do bolso com cuidado, tentando não acordá-lo e perscrutaria tudo que houvesse ali dentro: documentos, alguma fotografia, talvez pequenas anotações e até dinheiro. Não mexeria em nada. Apenas olharia com a calma dos inocentes, como dizia o poeta. Alisaria a carteira junto ao peito, como se fosse um bem precioso e depois a devolveria, com o mesmo cuidado e carinho. Mais tarde, se deitaria ao seu lado e talvez nem dormisse; apenas ficasse observando-o como quem observa um deus. Um deus não deve ser observado, pensou, ele é quem observa, quem abençoa e traz a paz.

Ele é quem ama e cuida e protege e conforta o bem amado. Ela era apenas o ser que se sentia protegida, o ser que só existia em função daquele deus.

Agora, porém, não podia voltar atrás. O passado não lhe pertencia mais. O segundo atrás já não era seu. O mundo girava e a vida prosseguia, mas o ritmo não era seu. Por mais que se esforçasse estava ali, parada naquela praça escura e sem ninguém e como gostaria de ser possuída, estuprada, vilipendiada para ter o que realmente lhe pertencia: o nada. Nada ser, nada possuir, nada pertencer.

No entanto, tudo se resumia àquela pasmaceira da leve brisa que nem revirava as folhas nem lambia a testa, por mais que esperasse um bafejo qualquer, um suor do clima, uma lágrima do sereno. Se houvesse neblina e turvasse a noite, se ela desaparecesse na confusão de folhas, árvores, lama, postes, prédios e luzes, quem sabe o nada sobressairia na sua presença. Tão intensa e real como as outras.

Daqui a pouco, luzes viriam e a madrugada também seria passado. Daqui a pouco, voltaria para o velho apartamento e tudo seria o que sempre foi: o bradar do deus e o curvar-se à voz. Entretanto, mesmo amando e obedecendo, sabia que Samuel não mais a olharia com qualquer afeto ou demonstraria qualquer proteção. Sabia que veria a indiferença cada vez mais escancarada e sua boca se abriria para desfazer o pouco que lhe restara: alguma dignidade.

Agora, ele era pai. Não o amado, o homem que a subjugara pela atração física e paixão, o amante, mas sim o pai de um filho que não era seu. Com uma mãe, que não era ela. E lhe dissera com todas as letras e fonemas.

Quando o dia aos poucos surgiu, Iolanda fez o caminho inverso.

Olhou para o alto e ainda avistou uma estrela quase sumindo, dando lugar ao azul ainda escuro. As árvores da praça agora sacudiam mais forte, o vento até zunindo nos ouvidos. Os cães silenciaram e ela não mais sôfrega, nem cansada, só vazia, começou a afastar-se da praça.

Atravessou a avenida, onde despontavam alguns carros na primeira sinaleira e espiou pelo vidro da porta do prédio. O porteiro parecia dormir no balcão.

Abriu a porta, fingiu não vê-lo e subiu a escada devagar, deslocando-se na direção do apartamento.

Empunhou a maçaneta, girou-a, entrou, dirigiu-se ao quarto. Viu Samuel estirado na cama desfeita, com o corpo seminu, o dorso à mostra e algumas roupas na cadeira, à espera do dia seguinte. Sentou ao seu lado e esperou.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

PIOLHOS DE RICO

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros