Pular para o conteúdo principal

Não estava lá

Como não sai de casa, não tive dificuldade em abrir a garagem e me deparar com dezenas de carros impedindo minha saída. Nem chegar ao centro e nas cercanias do porto velho, tentar estacionar exaustivamente e acabar desistindo e ficando tão longe, que o melhor seria ficar em casa. Mas como não sai de casa, não tive a urgência em entrar em filas, pagar contas e ajustar os saldos para desembolsar quantias que talvez precisasse transferir a credores, a contas de empresas que vendem produtos online. Nem deveria importar-me com as voltas que daria para chegar à padaria ou correr ao supermercado para fazer as últimas compras do dia. Ou quem sabe, me aborreceria alarmado com os preços, acostumado que estava a sorrir com a baixa inflação. Mas como não sai de casa, evitei tudo isso e talvez evitasse olhar para trás e sorrir para um amigo na fila ou mesmo acenar para um colega que me aparecesse na calçada, enquanto esperava o cruzamento das vias proibidas. Ou talvez fosse ao shopping e tomasse um café expresso, enquanto decidisse o que teria que comprar. Mas como não sai de casa, tudo isso ficou para outro dia. Ou talvez não. Pois como não sai de casa, nem vi as pessoas gritarem alto os seus protestos nem se manifestarem contra ou a favor deste ou daquele evento. E como não sai de casa, nem preocupei com o sol na moleira, com o protetor solar grudento, nem em vestir-me adequadamente para andar na rua. Como não sai de casa, não vi a algazarra dos vereadores, nem a polêmica formada pelo tema crucial da educação, nem mesmo os policiais que formaram uma barreira humana para impedir o acesso da população. Mas como não sai de casa, nem preocupei com nada disso. Nem com propostas de educação, que para alguns significavam um retrocesso, nem o retrocesso que eles mesmo significavam. Mas como não sai de casa, não vi nem a banda passar, porque não passou em minha janela. Se passou, foi por lá, entre os gritos e assobios, entre os xingamentos e as discussões, entre a luz e a sombra. Como não sai de casa, nem vi que o assunto havia sido discutido há um tempo atrás e os representantes do povo nem tinham percebido a sua importância e só se deram conta, no momento da votação. Nem vi que os mesmos que vociferavam contra as questões de gênero eram os mesmos que muitas vezes, se aproveitavam desta condição para se locupletarem em seus prazeres. Mas como não sai de casa, não me vesti de várias cores, nem fiquei entre os indecisos. Nem sei quem ficou em cima do muro, quem desceu ou o transpôs. Nem sei quem disse sim ou não. Como não sai de casa, não voltei indignado nem feliz, nem ouvi a música que entoa meus trajetos. Nem fiquei ansioso com o toque do celular, que me manda mensagens alucinadamente. Nem parei o carro para saber se havia alguma coisa importante para ser lida. Nem desviei da moto que se atravessou, bamboleando entre as filas que se agigantavam na avenida, nem me irritei com o motorista do ônibus, que ziguezagueava entrando e saindo do acostamento e investindo toda hora na fila engarrafada. Nem liguei os faróis, nem ouvi a rádio discutindo futebol ou amenidades, nem discussões mais acaloradas da comunidade. Nem mesmo soube do que acontecia, porque não estava lá. Nem perguntei também, se os que estiveram lá sabiam com profundidade o plano de educação que debatiam? Se haviam discutido com a sociedade os argumentos que eram levantados? Se não estavam somente preocupados com os votos que teriam nas próximas eleições? Não, não pude perguntar, porque não estava lá. Mas eles estavam.
Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …