Pular para o conteúdo principal

O novo normal


Chegam as compras, tudo adquirido online. Põe a máscara, acerta nas orelhas, um pouco caindo, não pode tocar na parte da frente. Abre a porta, olha para o entregador, entre assustado e desconfiado. Ele usa máscara? Está usando somente aqui, na minha frente, ou acabou de colocar no carro e andava aí pela rua, descuidado? Como pensar em tudo isso e ainda pegar as compras e o pior, pagar em dinheiro porque não recebe em cartão. Pegar o troco. Coitado, está sofrendo com toda esta loucura tanto ou mais do que eu. Na verdade, mais, muito mais, porque está se arriscando o tempo todo. Pego o troco, me atrapalho com as sacolas de plástico que deveriam ser abolidas. Mas aqui estão elas. Me despeço do entregador, que se afasta rápido na moto. Sento num banco baixinho, esparjo álcool principalmente no local em que ele segura a sacola, mas só por enquanto, porque logo, que tirar os mantimentos, terei que passar o álcool em todos os pacotes, e separar os sacos plásticos num balde com alvejante. Ah, não esquecer de passar o álcool com o pano para limpar bem os cantinhos dos pacotes de plástico, papelão plastificado ou metal.

O mundo lá fora buzina rápido, alguém passa na calçada, sem máscara, com um andador antes que eu feche a porta. Olho para os lados, cumprimento atrás das grades, a pessoa. Inverto os movimentos e volto rápido para a sala. Ainda vejo os resquícios do fim do dia, um dia que passei sem ver o sol praticamente, pelo menos, não o senti nas costas. Imagino-o aquecendo as campinas, a lagoa, as calçadas, as árvores. Mas ele já se vai, como eu, terminar as tarefas que comecei.

Tudo na cozinha, as verduras, legumes e frutas dentro da pia, cheias de cloro e água corrente. O tempo passa, o cheiro do café avisa um novo sabor. Quem sabe, um novo normal, também aqui? Na noite, talvez, a rotina das séries, das redes sociais, do livro que preciso ler, preciso? Não sei. Quero.

Tudo tem mais tempo, tempo demais para decidir. Tempo demais para escrever. Tempo demais para ouvir. Tempo demais para rezar. Tempo demais para refletir. Tempo demais para falar. Tempo demais para dormir. Será o novo normal? Ter tempo demais? Por que não faço tudo que queria e não podia, quando tinha menos tempo, para decidir, para falar, para refletir, para ouvir, para argumentar, para responder, para escrever, para sorrir? Ah, quero sorrir então. Nem que seja de um filme classe b com muito humor clichê. Quero amar, sonhar, viver.

Por que a morte insiste em rondar meus pensamentos? Uma morte que se acumula, que se expõe assim, de frente, sem insinuações ou falsos cenários, que se mostra cruel e obscena, como se o mundo bailasse de modo sinistro na sua experiência. A morte, a dor dos que ficam, o velório oculto, a dor que dilacera e abrasa como se o homem perdesse o direito a vivenciar a própria humanidade. E assistimos com olhos estarrecidos e às vezes, nos acostumamos, como se o outro jamais possa ser alguém próximo, tão próximo que a dor latente vai nos agredir e aprofundar os sentimentos. Por isso o vazio e o vazio será o novo normal? Não sabemos até quando. Mas esperamos que ele venha de outra forma, que a humanidade seja recompensada pela empatia do outro e não dilacerada em sua dor iminente.

Comentários

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

Lascívia

Este conto é um desafio de uma oficina online,
sobre a elaboração
de um conto erótico com o protagonismo masculino.

Carlos estava sentado na poltrona, ao lado da janela, entediado. Quem diria que ficasse assim, depois da reunião com os estagiários e as modelos excitantes que participaram da aula de pintura. Entretanto, nem a aula ou as mulheres faziam-no esquecer o homem que se atravessara na frente do carro, obrigando-o a parar quase em cima da calçada. Por um momento, imaginou tratar-se de um assalto, apesar da aparência de executivo. Mas quem poderia confiar num homem de terno e uma maleta embaixo do braço, hoje em dia? Dera uma desculpa, dizendo-se interessado em saber sobre as suas aulas. Carlos não respondera. Estava irritado demais para explicar qualquer coisa.
Levantou-se, pegou um café e voltou a sentar-se, olhando o deserto da rua que se alongava além da vidraça. Não chegava ninguém, era o que pensava. Entretanto, não demorou muito e bateram na porta.
Espiou pelo olho mágic…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…