Pular para o conteúdo principal

Tempos e momentos


Houve momentos em que não teve lua, ou seja, ela surgiu tímida entre algumas nuvens e desapareceu. Mas nós sabemos, que ela estava lá, escondida entre as nuvens e realizando os mesmos movimentos, claro que na sua velocidade, tão diferente da nossa percepção.

Houve momentos em que a noite escura parecia se propagar e permanecer para sempre, que as estrelas houvessem sumido ou terminado o seu tempo e embora outras nascessem, não as víamos e o universo parecia mais escuro e solitário. Tínhamos impressão de uma noite eterna e que nunca mais veríamos a luz do sol. Mas, eis que o sol nasceu e aos poucos a luz no horizonte começou a surgir e iluminar os campos, as casas, as ruas, os dias.

Houve tempo de muita seca, estiagem nociva para ao solo cada vez mais árido, cujos grãos morriam e os sobreviventes produziam frutos frágeis, esturricados pelo sol, danificados pela fragilidade de sua constituição.

Houve tempo de chuvas, de alagamentos, da terra encharcada e vimos muitas vezes, apesar de tudo, a seiva brotar, o grão crescer e a terra se ajustar aos poucos ao clima adverso. Já houve tempo de pesca. Já houve tempo de idas e vindas, de partidas e chegadas, de corridas, de passeios, de observância da natureza, de olhar focado em minúcias, detalhes antes não percebidos.

Houve tempos de outonos contagiantes, de sol dourado sobre os campos, de clima ameno e atmosfera saudável.

Houve tempo de criações, de criatividade, de sensibilidade, como houve tempos de falsos elogios, de fraca visibilidade do belo, de fraqueza de valores sustentados em famílias de marketing, de elogios a falsos heróis, desqualificados e mentirosos, de corrida pela vida, pelo sangue derramado, espargido nas esquinas, nas dobradas, nas favelas, nos condomínios de luxo, nos parques, nas sombras.

E há tempos de espera. Tempos de parada. Tempos de isolamento. Tempos de comunicação virtual. Tempos de ajuste de horários internos, de limpeza nas mentes tóxicas, dos desejos tresloucados, das vontades exacerbadas, do clientelismo da mídia, das redes sociais, do mau uso da tecnologia. E tempo de bonança, de entendimento, de esperança. Que estes tempos nos ensinem a importância de sermos os que somos, falhos, insatisfeitos, medrosos, conscientes, criativos ou não, metódicos ou não, organizados ou não, mas acima de tudo, produtivos.

Que o mundo ande para frente e não retome a marcha ré jamais. Que não incorra no erro do julgamento. Mas prossiga na luta pelo entendimento, pela aceitação das diferenças, pelo convívio com o outro, pela empatia e alteridade. Que o homem se veja a si mesmo como um ser coletivo e não uma autoridade acima de qualquer lei.

Que haja tempos pós-pandemia, que vençamos os medos, mas não os escondamos, ao contrário, que os enfrentemos e vivamos em conluio com a natureza. Apenas.

Comentários

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

Lascívia

Este conto é um desafio de uma oficina online,
sobre a elaboração
de um conto erótico com o protagonismo masculino.

Carlos estava sentado na poltrona, ao lado da janela, entediado. Quem diria que ficasse assim, depois da reunião com os estagiários e as modelos excitantes que participaram da aula de pintura. Entretanto, nem a aula ou as mulheres faziam-no esquecer o homem que se atravessara na frente do carro, obrigando-o a parar quase em cima da calçada. Por um momento, imaginou tratar-se de um assalto, apesar da aparência de executivo. Mas quem poderia confiar num homem de terno e uma maleta embaixo do braço, hoje em dia? Dera uma desculpa, dizendo-se interessado em saber sobre as suas aulas. Carlos não respondera. Estava irritado demais para explicar qualquer coisa.
Levantou-se, pegou um café e voltou a sentar-se, olhando o deserto da rua que se alongava além da vidraça. Não chegava ninguém, era o que pensava. Entretanto, não demorou muito e bateram na porta.
Espiou pelo olho mágic…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…