Pular para o conteúdo principal

O hóspede

Chegou de mansinho e se instalou em minha casa. À princípio, estranhei e até evitei envolver-me em demasia, a não ser proferindo algumas palavras daqui, outras dali, apenas o necessário. Com o passar do tempo, foi ficando mais audacioso. Começara a tomar conta da cozinha, da sala de estar e até mesmo de meu quarto. E nem tinha pudores em alojar-se no banheiro. Respirei fundo, avaliei a situação e olhei pela janela, tentando encontrar alguma pista que me desse a solução. Um ser que domina o ambiente e se espalha por tua vida, como o sapo que que precisava conquistar a princesa, enlameado e cheio de pedidos esdrúxulos. O que fazer com aquela companhia? Observei pessoas apressadas dando e recebendo recados, falando sozinhas enquanto atravessavam ruas ou sentavam-se em parques absortas, entretidas em seus contatos. Não seria melhor livrar-me imediatamente daquele peso? Não me tornar mais um zumbi, como elas? Quem saber dar um chega pra lá e esquecer de vez que esteve aqui, entre estas paredes, ouvindo-me até o arrastar dos chinelos.

Com o passar do tempo, entretanto, me sentia cada vez mais impotente. Limitava-me a encarar a sua presença, como uma necessidade perene. Talvez por isso, ele tenha ficado e aos poucos tomou conta de mim. Esforço-me em manter-me livre de sua influência, para dizer a mim mesmo que não preciso dele, mas cada vez que o vejo por perto, sinto que não há como evitar o contato. Afinal, onde vou parar? E se ele despencasse escada abaixo, transmutando o que era vida em ruína absoluta? Ou naufragasse numa enchente terrível, dessas que até as palafitas desaparecem ou se, por outro lado, o sol o queimasse, retorcendo a pele e transformando-o num ser inútil? Quem sabe, me livro dele para sempre. Entretanto, sei que haverá em meu coração uma mágoa, uma ansiedade difícil de controlar, uma vontade de substituí-lo por outro. Certamente, este será mais esperto, mais independente e capaz, até, de me dar ordens. Quem sabe!

Não queria ser assim, um amante passivo, cujo protagonista mande e desmande com seus caprichos. Mas sei que cada dia, dependo mais dele, de seus alertas, seus conselhos, seus avisos, suas notícias, seus jogos, suas mensagens, sua mania de sempre me chamar na hora inadequada. Às vezes, o amo, noutras, o odeio. Não sei qual será o nosso fim, mas por certo, nunca um longe do outro. Por mais que eu resiste, por mais que o dispense, sempre o terei ao meu lado. Como um vício, como uma dose a mais que desfruto em meu viver, como um carma, ratificado no verso da música do Chico Buarque, “meu amigo, se ajeite comigo e dê graças a Deus”.

Mas ele está aí e por mais que o atire do vigésimo andar, irá sobreviver. Na verdade, a vida não está nele, mas na minha procura, na minha ansiedade, na minha dependência. Quero-o longe de mim e o desejo tão perto. Freud talvez tivesse algum veredicto, algum prognóstico se o conhecesse naquele tempo e me avaliasse como sou agora. Eu, que o desprezo e apenas o usava quando realmente precisava! Mas sei que necessito dele a todo momento. Como se fosse onipotente, absoluto, quase um deus. Provavelmente, se livrar-me dele, algum dia, encontrarei outro com outras possibilidades e upgrade, porque eles se reproduzem como ratos e cada vez mais potentes e indestrutíveis.

Por certo, vou relaxar e esquecê-lo um pouco, não tão distante, a ponto de ouvi-lo chamar: apenas com um toque, com a música preferida, com o vídeo mais engraçado ou a mensagem mais emocionante. Ou quem sabe, procuro nele, os meus e-mails e descubro neste meio tempo a temperatura? Acho que ficará mais um tempo comigo!

Celular amado e odiado!

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

Lascívia

Este conto é um desafio de uma oficina online,
sobre a elaboração
de um conto erótico com o protagonismo masculino.

Carlos estava sentado na poltrona, ao lado da janela, entediado. Quem diria que ficasse assim, depois da reunião com os estagiários e as modelos excitantes que participaram da aula de pintura. Entretanto, nem a aula ou as mulheres faziam-no esquecer o homem que se atravessara na frente do carro, obrigando-o a parar quase em cima da calçada. Por um momento, imaginou tratar-se de um assalto, apesar da aparência de executivo. Mas quem poderia confiar num homem de terno e uma maleta embaixo do braço, hoje em dia? Dera uma desculpa, dizendo-se interessado em saber sobre as suas aulas. Carlos não respondera. Estava irritado demais para explicar qualquer coisa.
Levantou-se, pegou um café e voltou a sentar-se, olhando o deserto da rua que se alongava além da vidraça. Não chegava ninguém, era o que pensava. Entretanto, não demorou muito e bateram na porta.
Espiou pelo olho mágic…

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…