Pular para o conteúdo principal

O trauma de Alice

Fonte da ilustração: Fotografia de Wilson Rosa da Fonseca

Alice estava abalada. Não havia naquele momento nada que a mantivesse com os pés fixos na realidade. Seus pensamentos eram interrompidos por outros mais confusos e delirantes. Tinha vontade de correr, de sair do próprio corpo, de abandonar a vida. Mas não faria isso. Nem mesmo tomaria uma bebida forte ou qualquer outra droga que a estabilizasse. Não, faria o que sempre fez. Ficar quieta, parada, quem sabe, olhando o mar.

Entretanto, nem mesmo isso a consolava. Como ficar quieta se tudo havia sido perdido. Se a dor da separação, se o trauma da traição a instigava a tomar uma atitude contra si, como sempre fizera.

Desceu as escadas do velho apartamento, degrau por degrau, cabeça baixa, algumas lágrimas nos olhos, um sofrimento silencioso de quem não sabe o que fazer. As paredes do prédio pareciam mais velhas e descascadas. Ela observava a tinta avermelhada, por trás da verde brilhante num pedaço descamado. Quem pintaria de vermelho uma parede de um prédio? Alguns degraus estavam partidos, como se houvessem sido pisoteados anos a fio e agora surgia a superfície disforme e esfarelada. Como não percebera isso nestes anos todos em que morava no edifício?

Na rua, ainda voltou-se para a parede esquisita. Era de uma cor mortiça, tosca, quase sem qualquer matiz que indicasse uma pintura recente. Era feio o prédio onde morava, assim como era feia e terrível a sua vida.

Dirigiu-se até a garagem onde deixava o carro, o seu pequeno carro que sempre a servira em todos os momentos, em todos os eventos, mas hoje parecia tão fraco, quase inútil. Um motor velho, um design antiquado de fusca de cor caramelo. Tudo parecia desandar a sua volta. Tudo parecia incorreto, frágil e sem vida. Mas era o que tinha. Era dele que precisava para sair dali, para afastar-se nem sabia para onde. Talvez olhar o mar, como pensara.

O homem da garagem aproximou-se, indicando a saída melhor, afastando-a dos carros que se perfilavam a sua esquerda. Irritou-se. Por que ele sempre a orientava a sair da garagem? Ela, uma professora, será que não tinha condições de dirigir sem que alguém a aconselhasse? Por aqui, por ali, não, não, espere um pouco, dê uma ré, assim, pode sair. Que diabo, não precisava dele para nada e se batesse em algum carro, o problema era dela, não dele.

Pelo retrovisor, observou-o com cara de satisfeito, como se tivesse cumprido a missão. Idiota, pensou. Talvez nem saiba dirigir um carro.

Na rua, esqueceu o homem da garagem. Deu algumas voltas enquanto olhava para o vazio. Nada havia que a alertasse para uma presumível esperança. Nem melhorava o seu humor, muito menos, impedir-lhe as lágrimas.

Não muito longe dali, avistou a lagoa. O mar que se perdia no horizonte, as luzes do entardecer que pintavam de dourado as águas e o brilho das ilhas. Ficou ali, à beira do porto, observando os barcos, analisando o vai e vem das ondas. Por fim colocou uma música no toca-fitas. O carro de Alice ainda tinha toca-fitas.

Era uma música antiga, mas que significava muito. Love is all, de Malcolm Roberts, ela sabia quase de cor. Poderia ter escolhido uma música italiana, que sempre embalava seus momentos mais radiantes, mas Love is all era perfeita. Lembrava de quando o cantor a vencera no Festival da Canção e o quanto torcera por aquele britânico. Sempre o mantivera junto, em todos os eventos e sonhava com aquele amor inabalável. Na rua, não muito longe, avistou um quiosque onde vendiam cervejas. Fez um gesto para o rapaz que organizava algumas mesas para o público que viria mais tarde. Ele aproximou-se com uma cerveja.

Alice tomava devagar. Absorvia com calma o líquido e quanto mais ouvia a música, mais fixava o infinito, mais sonhava o amor sofrido. Lágrimas agora juntavam-se aos grânulos de gelo presos à garrafa. Tomou-a e pediu outra, do mesmo tamanho, com o mesmo conteúdo e a mesma dose de sofrimento. Já curtia aquele sofrimento, já sentia a melancolia de perder o amor, de sentir-se traída, perdida entre as dores da alma. Repetia várias vezes "love is all" e entornava a bebida que agora escorria suave pela garganta, apaziguando a mente. Dizia a si mesma, embora em voz alta, que queria morrer, nada mais a prendia nesta vida. Somente a morte, a morte a libertaria de suas angústias. A morte seria o bálsamo para o fim de seu sofrimento. Nem se deu conta, porém que o carro não estava com o freio de mão puxado e assim, livre, foi aos poucos descendo uma pequena rampa e se ela não tomasse qualquer providência, viraria um barco a mais na lagoa. Mas Alice não percebeu e começou a cantar bem alto “Yesterday, I knew the games to play, I though I knew the way...Love is all, I have to give, Love is all, as long as I shall live..." Enquanto cantava, ela chorava e o carro deslizava nas águas e aos poucos se afastava para longe do cais.

O rapaz que arrumava as cadeiras no quiosque percebeu alguma coisa errada. Afinal, o carro havia caído na lagoa e daqui a pouco, afundaria. A mulher não havia visto? Morreria afogada? Olhou para os lados, mas àquela hora, poucos passavam no lugar, apenas alguns carros que se afastavam para os bairros num entardecer de sábado, por isso começou a chamar a mulher.

Alice embevecida com a cerveja e a música, não percebeu o quanto estava encrencada. Mas ouviu alguém chamá-la, devia ser ela, não havia quase ninguém no cais. Olhou para os lados e apavorada, reconheceu que estava perdida na lagoa, bem distante da margem. Nem Malcolm Roberts a salvaria, o carro já começava a entrar água e logo, logo afundaria. Que seria dela? Começou a gritar em desespero. Meu Deus, eu estava brincando, não quero morrer. Me tirem daqui, eu quero viver! Quero sair daqui, vou morrer afogada, dentro de um fusca, pelo amor de Deus, é trágico e fútil demais.

O rapaz atirou-se na água, nadou como pode tentando aproximar-se do veículo, que percebia afundar a cada momento. Esforçou-se contra as ondas que pareciam mais avantajadas devido à mudança dos ventos que via de regra ficavam mais fortes ao anoitecer. De onde estava, ainda ouvia os gritos de Alice e sentia que as forças faltavam, mas não podia desistir. Parou alguns minutos para respirar, mergulhou e aproximou-se um pouco mais. Olhou a imagem que surgia como um ícone do desespero a sua frente, o veículo já quase submerso, a não ser as pequenas janelas do fusca que ainda refletiam algumas luzes do poente. O rapaz parou mais uma vez, outro mergulho, outra respiração forte e aproximou-se num salto no carro, conseguindo enfiar a mão pela janela e procurar pela mulher tentando resgatá-la. Segurou-a pelos cabelos e num instante sem qualquer cuidado, mas com a intenção de salvá-la, puxou-a pela janela, segurando em seguida, os ombros e a cabeça para retirá-la para fora. Ao deslocar o restante do corpo, tentou falar-lhe, mas Alice não conseguia articular nada. Ele tentou levá-la na direção do cais e numa poita, onde havia um pequeno barco, levantou-a com o maior esforço e colocou-a dentro da embarcação. Fez então tudo o que aprendera alguma vez num curso de primeiros socorros. Assoprou em sua boca e nesta respiração, Alice, tossindo e vomitando água voltou a si. Ele ainda perguntou o que havia acontecido.

Ela o olhou agradecida, mas ainda chocada, respondeu insegura: Eu devia ter ouvido Datemi un martello de Rita Pavone. Era a mais indicada para o momento.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

Lascívia

Este conto é um desafio de uma oficina online,
sobre a elaboração
de um conto erótico com o protagonismo masculino.

Carlos estava sentado na poltrona, ao lado da janela, entediado. Quem diria que ficasse assim, depois da reunião com os estagiários e as modelos excitantes que participaram da aula de pintura. Entretanto, nem a aula ou as mulheres faziam-no esquecer o homem que se atravessara na frente do carro, obrigando-o a parar quase em cima da calçada. Por um momento, imaginou tratar-se de um assalto, apesar da aparência de executivo. Mas quem poderia confiar num homem de terno e uma maleta embaixo do braço, hoje em dia? Dera uma desculpa, dizendo-se interessado em saber sobre as suas aulas. Carlos não respondera. Estava irritado demais para explicar qualquer coisa.
Levantou-se, pegou um café e voltou a sentar-se, olhando o deserto da rua que se alongava além da vidraça. Não chegava ninguém, era o que pensava. Entretanto, não demorou muito e bateram na porta.
Espiou pelo olho mágic…

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…