Pular para o conteúdo principal

ATUALIZAÇAO DA ENTREVISTA DADA AO BLOG DO SIB

 Atualização da entrevista dada ao blog do Sistema de bibliotecas FURG para a Bibliotecária Simone T. Przybylski. Foi atualizada apenas para efeito de divulgação dos últimos livros publicados. A entrevista original está no link: http://bibliotecafurg.blogspot.com.br/search?q=entrevista+bibliotecário

1)    Com que idade começou a escrever ? Teve alguma influência de alguém ? Acho que comecei a escrever quando aprendi a ler. Ficava muito tempo tentando descobrir o significado das palavras, principalmente nos jornais e revistas que meu pai lia. Ele me incentivava muito nesta descoberta. Também ganhava muitos livros, lembro que na 4ª série primária, ganhei “Aladim e a a lâmpada maravilhosa” e devorei o livro em pouco tempo. Em seguida, veio “Tiradentes e o aleijadinho : as duas sombras de Ouro Preto”, de Sérgio d. T. Macedo, livro que possuo até hoje. Também lia as histórias do Sítio do Picapau Amarelo (esta uma coleção de minha irmã). O que eu adorava mesmo eram as histórias de mistério de Ellery Queen, cheias de suspense e emoção. Eu tinha coleção. Ainda no primário, inventava muitas histórias e sempre me saía bem nas redações. Com uns 11, 12 anos escrevia histórias em cadernos.

2)    Que hora do dia costuma escrever ? Segue alguma disciplina ou quando dá vontade de escrever ?

Durante o dia, penso em fatos, acontecimentos comuns do cotidiano, observo pessoas que me chamam a atenção, ou mesmo situações contadas por alguém, mas para escrever, eu prefiro a noite. Nestas horas, me sinto mais disposto até fisicamente, mais livre e pronto para fazer o que gosto. As ideias surgem nos horários mais inusitados, mas a vontade de escrever é principalmente à noite.

3)    Quantos romances você já escreveu ?
Escrevo dezenas de contos e crônicas, mas romances, me atrevi a fazer sete. São eles: “A barca”, que foi finalista no Prêmio SESC de literatura, “A casa oblíqua”, “Somos todos iguais na casa”, “A morte original”, “O doce bordado azul”, “Pássaro incauto na janela” , “O eclipse de Serguei” e "A biblioteca e a barca".

Publiquei “O eclipse de Serguei”, também em e-book, pela editora Biblioteca 24x7.

Em 2017 Em 2017, foi publicado "A barca e a biblioteca: um romance sobre como os livros também foram sitiados em tempos de repressão" pela editora Metamorfose, de Porto Alegre. http://editorametamorfose.com.br/abarcaeabiblioteca.

No site www.clubedosautores.com.br, disponibilizei o romance “A casa obliqua”, que pode ser impresso quando solicitado ou na modalidade de e-book. Também está publicado em capítulos no meu blog http://letras-livres.blogspot.com.br, bem como "Doce bordado azul" e "Pássaro incauto na janela".

O livro de crônicas “Outras águas”, uma coletânea com vários autores, foi publicado pela All Print Editora .

Em 2016, participei com o conto "Emblema da morte em vida" na antologia de contos Metamorfoses, organizado por Marcelo Spalding, da editora Metamorfose.

4)    Como funciona a lei dos direitos autorais se você já disponibilizou uma obra na rede ? Tem retorno financeiro ou é mais para divulgação da obra ?

Alguns sites protegem o documento, mas isto não impede por completo que a obra seja manipulada ou copiada de alguma forma. Há a lei de direitos autorais, no Brasil, que protege a propriedade intelectual. Mas na internet é muito difícil impedir que seja cumprida. Entretanto, o mais adequado é fazer um documento de registro ou averbação junto à biblioteca nacional para garantir a autoria da obra. Além disso, conseguir-se o ISBN. O que acontece com crônicas, por exemplo, é a possibilidade de algum blogueiro usar a crônica no seu blog, a partir de um pedido por e-mail e fazer a citação adequada. Outro dia, recebi a solicitação da Secretária da RBE-AMPED para utilizar a minha monografia sobre identificadores de qualidade de periódicos e um artigo sobre este assunto para utilizar em prováveis estudos.

Com a disponibilização dos romances no letras-livres.blogspot.com.br, obtive bastante leituras e comentários. O retorno é puramente de divulgação. Quanto ao livro O eclipse de Serguei, participei de várias feiras do livro (Rio Grande, Gramado, São Borja, Caxias) e consegui algum reconhecimento.

5)    Quais seus autores preferidos brasileiros e estrangeiros ?

Na escola, lia Machado de Assis, por obrigação. Inclusive, um dos nossos livros de gramática da língua portuguesa tinha o Machado na capa, além de Camões, José de Alencar e outros. Já adulto, no curso de Letras, reli Machado, mas agora com prazer. Li todos os romances dele, gosto especialmente os que são classificados no realismo, inclusive o tipo de desenho psicológico dos personagens. Gosto também dos contos de Machado. Outro autor que aprecio muito, inclusive li quase todos os livros dele, ( desde Metamorfose , O Processo, O castelo, etc.) é Kafka, um escritor surrealista e ao mesmo tempo, com um pé firme na vida cotidiana e atual. Outros que citaria com prazer são Clarice Lispector, Érico Veríssimo, Eça de Queirós, Sthendal, Fernando Pessoa, Macedo Miranda, Florbela Espanca, e também os contemporâneos, Mia Couto, Milton Hatoum, Amós Oz, Paolo Giordano, o próprio Chico Buarque. Também aprecio a literatura policial de Stephen King, Georges Simenon, Agatha Christie e Conan Doyle.

6)    Com qual gênero literário você se identifica mais ?

Eu prefiro narrativa longa, romance ou novela, que permite se delinear os personagens com mais profundidade, permitindo uma abordagem mais complexa, tanto das características psicológicas dos personagens, da crítica social que pode ser analisada, quanto da estrutura que permite urdir a trama. Para ler, também prefiro o romance. Leio alguma poesia, mas ainda prefiro ouvir poemas do que ler. Leio as crônicas mais na internet ou nos jornais. Compro mais livros de romances.

7)    Quem faz a capa dos seus livros ?

Quando da publicação do “Eclipse de Serguei”, sugeri a arte de minha mulher, Evanoli, cujo desenho se adaptava à trama. A editora avaliou e concordou com o tema. No caso do “Outras águas”, foi a cargo da editora. No clube dos autores, as capas são disponibilizadas no próprio site.

No romance "A barca e a biblioteca", a editora Metamorfose se encarregou da capa.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …