Pular para o conteúdo principal

UM CRIME NA CIDADE QUE SABIA DEMAIS - CAPÍTULO 16

Capítulo 16

Júlio sentou-se na poltrona e observou que as paredes de certo modo revelavam uma falência inevitável no sistema carcereiro da cidade. Era como se ali houvesse o registro do abandono pelo Estado pelo sistema policial: no próprio prédio, havia pichações de todo o tipo, além de profundas deteriorações nas paredes internas, com o surgimento dos tijolos sob o reboco frágil. Na poltrona, cortes de canivete, nos quais inevitavelmente afundava os dedos.

Estava assim pensativo, quando o Delegado Borba surgiu, fechando com firmeza a porta. Júlio voltou-se com o olhar perplexo. O outro sorriu e comentou, irônico: — Detetive Júlio, para um homem da lei está se portando como um medroso. Não devia se assustar assim com a minha chegada.

Júlio levantou-se e apertou-lhe a mão, confiante.

— Não estou assustado, delegado. Só estava aqui, mergulhado nos meus pensamentos.

O delegado discursava, enquanto ajustava a cadeira para sentar-se atrás da escrivaninha.

— Quem pensa muito não age. O contrário da polícia, que não tem tempo de pensar.

Júlio sorriu e completou: — Trilhamos caminhos diferentes delegado Borba, mas temos os mesmos objetivos.

O delegado não respondeu. Acionou o mouse, revelando a página da web em que estava navegando, sem levantar os olhos, embora parecesse atento às palavras do detetive. Este, prosseguia, enfático: — Ainda bem que somos assim, obstinados no caminho da lei, não é mesmo?

O delegado ficou-o por alguns segundos, mostrando dúvida. — Não sei não, meu amigo. Nossos métodos são oficiais, a gente não brinca de mocinho e bandido – fez uma pausa e prosseguiu, deixando o mouse – mas parece que voltou aqui para trabalhar.

— Podemos dizer que sim, mas não totalmente. Eu já tinha interesse em voltar, pelo menos, passar um tempo aqui, na minha terra natal.

— Então, o que o traz aqui?

— Quero uma ajuda da polícia.

— Uma ajuda, detetive? O senhor já não é pago para o seu trabalho? Se nós o ajudarmos, como é que fica? Quem vai nos pagar?

— Como lhe disse, delegado, andamos por caminhos paralelos. Sei que a polícia pode fazer oficialmente, o que eu na minha modesta atividade, não posso.

— Podemos esclarecer os crimes.

— Não quero entrar nesta seara, delegado. No que concerne a profissões, cada um sabe da sua. Eu precisava que o senhor me fornecesse alguns dados, ou melhor, que fizesse uns interrogatórios.

O delegado Borba ficou observando-o, como se refletisse no que dizia. Não suportava a ideia de dividir o serviço da polícia com um detetive particular, principalmente porque atrapalharia ainda mais as investigações.

— O senhor acha que pode me pedir isso, detetive Júlio?

— Oficialmente, não. Mas em nome de nossa amizade, delegado.

Borba sorriu levemente. Em seguida, levantou-se e foi até a porta, verificando se estava bem fechada. Depois, dirigiu-se à janela e ficou algum tempo olhando para a rua. Júlio coçou a cabeça, inseguro. Sabia que o delegado era osso duro de roer, mas devia insistir, por isso acrescentou: — Sei que é um homem muito ocupado, mas nestes últimos casos que estão acontecendo na cidade... – o delegado o interrompeu, friamente, ainda em pé, próximo à janela – o que está vendo por aqui, detetive?

Júlio perguntou, indeciso : — Como assim?

Voltando a sentar-se, Borba retoma a pergunta: — vou lhe perguntar novamente, o que o senhor observa aqui, nesta delegacia?

Júlio olhou para as paredes descascadas, as infiltrações e os rasgos na poltrona. Nada respondeu. Borba, então concluiu: — Percebi que estava muito atento ao estado deprimente desta delegacia. É a isto mesmo a que me refiro, detetive. O senhor reparou nas portas com maçanetas desengonçadas, nas paredes sem pinturas, aparecendo o reboco. O senhor observou tudo isso e vem me pedir ajuda? Por acaso pensa que além deste cenário maravilhoso, o senhor vai encontrar um contigente ideal para auxiliá-lo nas suas investigações? Onde o senhor vive, detetive? Na Suécia?

— Por favor, delegado, claro que eu sei de tudo isso. Agora mesmo, quando o senhor chegou eu estava refletindo exatamente sobre o estado do prédio, mas o que eu preciso de uma pequena ajuda, nada que vá ocupar o seus homens por muito tempo.

— Os meus homens, detetive? Sabe com quantos homens disponho? Dois policiais e um escrivão, que agora, neste momento, está conversando na internet com a namorada, ou seja lá com que raio de gente ele conversa, mas acabei de ver quando fechei a porta.

— Não sei o que dizer, delegado.

— Pois não diga nada, meu amigo. Fique certo de uma coisa: eu não vou fazer o meu trabalho duas vezes só para ajudá-lo. Acho que deve usar as suas próprias armas.

— O senhor é um homem beligerante.

— E o senhor é assim tão pacífico?

— Eu só queria que tivesse uma conversa informal com os suspeitos, tenho alguns.

— A que crimes o senhor se refere?

— Acredito que tenham alguma relação, os crimes dos turistas assassinados e o da jovem Taís.

—O processo relativo aos turistas foi arquivado. Não posso reabrir o inquérito policial, se não há nenhuma novidade.

— A menos que tenha alguma relação.

— Por que diz isso?

— Tenho as minhas ferramentas, delegado. Mas acho, que deveria fazer um interrogatório com Rosa, a maestrina, com o mecânico Paulo, com Ana, adolescente que diz que ouviu o grito da moça, quando caíra no rio e dos garotos do grupo dela.

— Garotos?

— Especialmente Carlos, o filho do prefeito. Tenho certeza de ser for investigado, muita coisa pode sair daí.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

O URUGUAI E SEUS CARROS ATRAENTES

http://O URUGUAI E SEUS CARROS ATRAENTES

O Uruguai é um país muito bonito e como integrante da América, cheio de contrastes, sem dúvida. Mas o que me chama a atenção, sempre que visito aquele país, além da hospitalidade e elegância de seu povo, é a a maneira como as autoridades de trânsito permitem que determinados veículos sejam dirigidos nas estradas. Na verdade, a obediência às leis me parece muito bem orientada. É um povo tranquilo, que conduz seus veículos obedecendo as regras. Todavia, o que sempre me deixa intrigado são os inúmeros carros velhos, danificados, em precárias condições para transitar, que ainda vez que outra surgem nas rodovias. Por isso, tirei algumas fotos para ilustrar esta curiosidade. É uma peculiaridade de comportamento, da qual é provável que sirva de tema a muitos blogs, no entanto quero deixar aqui, às vezes a minha perplexidade, por observar estes “automóveis” andando.
Em tempo: estou torcendo pelo Uruguai, nesta copa, assim como muitos brasileiros, ac…