Pular para o conteúdo principal

UM CRIME NA CIDADE QUE SABIA DEMAIS - 11º CAPÍTULO

No capítulo anterior, o detetive Júlio tomou informações com o médico Ricardo, que é acusado de matar uma jovem, que segundo o que dissera, se aproximara dele com uma intenção possessiva, a ponto de persegui-lo até mesmo no trabalho. O detetive também ficou sabendo que ela abandonara um presumível namorado, chamado Paulo, um mecânico da cidade, o qual tentara agredir o médico, mas que acabara entendendo que ele não era o culpado da situação. Por outro lado, havia uma jovem chamada Ana, de aproximadamente 14 anos que sabia alguma coisa sobre o crime. Júlio Ramirez então, prossegue a sua investigação no 11º capítulo a seguir, desta terça-feira 05/06/16. Divirtam-se com o nosso folhetim policial.

CAPÍTULO 11

Fonte da ilustração: https://pixabay.com/pt/ponte-grade-água-rio-1038830/

Júlio volta para o hotel. Quem diria que estaria novamente na ativa, depois de ter afirmado tantas vezes para si mesmo que este era um tempo passado. Depois do almoço, a tarde se alongava e ele precisava seguir a investigação. Detestava as tardes, detestava os dias que se prolongavam como os de hoje e só se sentia bem à noite. Esta sim, poderia levar mais tempo do que o normal, poderia se estender infinitamente.

Decidiu então dar uma volta perto do rio, quem sabe não encontraria alguma coisa que a polícia não houvesse encontrado?

Pegou o carro e atravessou a cidade. Não demorou muito pela área limitada.

Lá estava, passeando pelas margens do rio que hoje parecia um pouco menos calmo. Um vento fino fazia parte do cenário. Olhou para a pequena ponte ao longe e percebeu que uma menina estava encostada no parapeito, falando ao celular.

Aproximou-se e ficou por ali, pensando tratar-se de alguém conhecido. Quem sabe um parente de sua família. A menina parou de falar e o olhou, um pouco assustada.

– Você costuma andar por estas bandas? Não é perigoso?

– Aqui todo mundo se conhece - respondeu, displicente. Olha para longe, os olhos grandes fixos no nada. Ele insiste.

– Mas eu por exemplo, cheguei agora na cidade.

– Eu sei quem é. O senhor é o detetive que nasceu aqui, não é? - desta vez, ela o encara com um sorriso irônico.

– Acho que você tem razão. todo mundo sabe tudo de todo mundo, nesta cidade.

– Isso é ruim?

– Tem os dois lados.

– Você então sabe o que aconteceu com a filha do farmacêutico.

– Sim, eu estava aqui quando ela deu um grito, depois desapareceu.

– Ah, foi você. Que coincidência!

Não é não. Eu venho todos os dias aqui.

– Ah, sim.

– Gosto de ficar aqui. Daqui a pouco, meus amigos virão também.

– Então, você a ouviu gritar, pedir por socorro?

– Não, foi um grito de dor.

– E onde você estava naquele momento, quero dizer, bem aqui, na ponte?

– Não, estava do outro lado, na fronteira com a cidade. Aqui é o quase o limite, sabia?

– E naquele momento, voce viu alguém passar por aqui, perto?

– Na hora do grito, não. Uns quinze minutos antes, eu vi um carro parar no outro lado do rio. Depois desceu um homem e caminhou por ali. Depois não vi mais.

– Você reconheceu este homem?

– Pelo carro, era o médico, o dr. Ricardo.

– Voce o viu?

– Com certeza, não. Tava uma neblina forte.

– Poderia ser outra pessoa, a noite vinha caindo, estava com neblina, como pode afirmar?

– Não posso afirmar nada, mas sei que era ele, porque o carro era dele. Um conversível desses importados.

– Está bem, mas quer dizer que você ouviu o grito e a queda na água?

– Acho que sim. Na água não da pra ter certeza, era muito barulho, ali tem a correnteza, o senhor sabe.

–Alguns minutos mais tarde, você viu o corpo flutuar, é isso?

– Eu achei que era, mas ele sumiu, foi parar quase no outro distrito. Então corri pra pedir ajuda.

– Não viu alguém por perto?

– Sim, meus amigos que vinham chegando. Contei tudo para eles e fomos até o centro.

– Me diga uma coisa, quantos anos você tem?

–Vou fazer quinze.

– O que voce faz com seus amigos neste lugar deserto, posso saber?

–O que o senhor acha que se pode fazer numa cidade que nao acontece nada, que só tem velho?

– Eu imagino, mas quero ouvir de você… afinal, há muito o que fazer, pensando bem…

– O senhor já fumou baseado?

Júlio calou-se. Estava respondido. Observou que Ana se afastava um pouco, recebia um whatsapp, provavelmente. Foi até a ponta da ponte e esperou o grupo que se aproximava. Largou a mochila no chão e voltou a encostar-se no parapeito.

Júlio resolveu voltar para o hotel. Na verdade, decidiu seguir adiante, procurar a oficina e tentar falar com Paulo. Não demorou muito e está lá. Deixou o carro na frente do grande portão e entrou no ambiente meio escuro. Parecia um galpão velho.

Um homem barbudo aproximou-se.

– Seu carro está com problemas?

– Não. Ou melhor, ele anda engasgando sim. Não sei se é o frio desta cidade.

– Faz pouco que o senhor chegou aqui?

– Só três dias.

– Vamos dar uma olhada. Por favor, levanta o capô.

Júlio olhou a placa onde estava escrito “Oficina Silva”. Perguntou ao homem, enquanto abria o capô do carro. – Você é o Silva?

–Sou um dos. Somos sócios e somos Silva os dois. E olhe que nem somos irmãos.

–Ah, mas é normal. Este sobrenome é muito comum. O seu sócio é o Paulo?

–O Paulo? Não, aquele é um pé de chinelo. É nosso ajudante, só.

–E ele não está?

– Não, precisou ir na capital. Vai ficar lá uns dois dias.

– E você sabe o que ele foi fazer lá?

O homem o olhou desconfiado. Samuel explicou-se.

– Desculpe, não me leve a mal. É que estou procurando pelo Paulo, preciso falar com ele e gostaria de saber se vai demorar.

– Como eu lhe disse, uns dois dias. Foi acertar uns documentos, coisas do tipo.

–Ah, que bom. E onde ele mora?

–Mora com a mãe, uma viúva. a mãe, ou amiga, sei lá. O caso dele é complicado. Fica no final da rua principal.

– Então é a rua do meu hotel. Mas por que você disse que o caso dele é complicado?

O barbudo não respondeu. Falava sobre o carro, como se quisesse livrar-se do cliente indesejado.

– Moço, nao tem nada no seu carro. Deve ter sido o frio mesmo, agora tá tudo bem. A gasolina ta passando direitinho.

–Ah, obrigado. Me diga, como é o nome da mãe do rapaz?

_ Rosa.

–Rosa, a maestrina? A moça da portaria do hotel?

– Olha aqui, meu amigo, não sei se é mãe, a gente chama assim, mas é problema dele. É melhor perguntar pra ele.

– Sim, claro, só queria saber se é a mesma mulher.

– Pode ter certeza de que é, mas como eu lhe disse, é problema deles, nem sei se é verdade o que dizem.

– E o que dizem?

– Ah, não sei, que a mulher ajuda. Como lhe disse, pergunte pra ele, quando voltar!

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

O URUGUAI E SEUS CARROS ATRAENTES

http://O URUGUAI E SEUS CARROS ATRAENTES

O Uruguai é um país muito bonito e como integrante da América, cheio de contrastes, sem dúvida. Mas o que me chama a atenção, sempre que visito aquele país, além da hospitalidade e elegância de seu povo, é a a maneira como as autoridades de trânsito permitem que determinados veículos sejam dirigidos nas estradas. Na verdade, a obediência às leis me parece muito bem orientada. É um povo tranquilo, que conduz seus veículos obedecendo as regras. Todavia, o que sempre me deixa intrigado são os inúmeros carros velhos, danificados, em precárias condições para transitar, que ainda vez que outra surgem nas rodovias. Por isso, tirei algumas fotos para ilustrar esta curiosidade. É uma peculiaridade de comportamento, da qual é provável que sirva de tema a muitos blogs, no entanto quero deixar aqui, às vezes a minha perplexidade, por observar estes “automóveis” andando.
Em tempo: estou torcendo pelo Uruguai, nesta copa, assim como muitos brasileiros, ac…