Pular para o conteúdo principal

UM CRIME NA CIDADE QUE SABIA DEMAIS - 10º CAPÍTULO

No capítulo anterior, Júlio conversara com duas pessoas: Lucas, o farmacêutico que o procurara para acusar o médico Ricardo de que sua filha fora assassinada por ele. No dia seguinte, conversara com Sara, que dissera que os crimes foram elaborados pela maestrina Rosa. Apesar de ouvir as suas justificativas, Júlio estava decidido a conversar com o médico, primeiramente. Não podia sair acusando todo mundo e quanto à Rosa, mais lhe parecia um ciúme, por um motivo ainda obscuro, que ele ainda procuraria descobrir. Voltamos com o nosso folhetim policial, nesta quinta-feira, 29/07/16 e com o desenrolar da trama, saberemos quais são as justificativas de Rosa. A seguir o 10º capítulo de nossa história.

CAPÍTULO 10


Fonte da ilustração: https://pixabay.com/pt/coração-deus-o-abençoe-pulso-1133761/

Júlio esforçou-se para conversar com Ricardo Silveira, o médico que passara de plantão toda a noite no hospital. Sabia que em dado momento, o encontraria, pois ele deveria sair alguma hora e ir para a casa. Aguardou-o até a hora do almoço, e logo que o viu dirigir-se ao restaurante do hospital, aproximou-se e o encontrou ao lado de um colega.

Apresentou-se e pediu para conversar com ele. Observou que o rapaz aparentava uns 30 anos, tinha cabelos castanhos e olhos muito perspicazes. Parecia sempre antenado em algum movimento na sala ou numa conversa no outro lado da mesa. Cabelos curtos e óculos pesados compunham a fisionomia, que se revelava muito tranquila.

— Sei que é o seu horário de almoço e que em seguida terá muito trabalho com os pacientes, mas gostaria de agendar uma visita. Onde você quiser, quando quiser. Pode ser?

—Pode, é claro, só não estou entendendo a razão.

— É um assunto meio desagradável. Não gostaria de incomodá-lo agora.

— Desculpe perguntar, mas quem é o senhor mesmo?

— Bem, sou advogado e detetive particular aposentado.

— E sobre o que vamos conversar?

—Você poderia agendar uma hora? Pode ser num bar, no hotel onde estou hospedado ou até mesmo no seu consultório.

—Eu não tenho consultório, senhor… senhor?

—Júlio, Júlio Ramirez, às suas ordens. Olhe o meu cartão.

—Quer me vender alguma coisa?

— Não, de forma alguma. Se não se importa, pode ser no restaurante do meu hotel. À noite, eles servem apenas uns drinques.

—O senhor está no hotel, então deve ser o mesmo em que estou morando. Não há noutro na cidade.

— Ah, que bom. Assim fica mais fácil, então.

— Pode me adiantar alguma coisa?

—Bem, se insiste. É sobre a moça que foi assassinada ou se matou, não se sabe. O pai dela o acusa de sua morte!

—Aquele homem é um louco, um imbecil! Olhe aqui, eu não tenho nada com esse assunto. Nem tenho nada a discutir com o senhor nem com niguém. Portanto, não me espere, porque nao vou até o restaurante.

—Desculpe, Ricardo, eu não queria que você se irritasse. Sei que tem razão em ficar nervoso com esta história, afinal, é muito desagradável esta acusação e estes falatórios pela cidade. Mas, acho que está na hora de provar que você é inocente. Olhe, eu pessoalmente, acho que não há nada que o ligue à morte daquela moça.

—Então, por que está me procurando?

—Porque é meu trabalho de detetive e na minha profissão, não se pode descartar nada. Mas acho sinceramente, que este esclarecimento só vai ajudá-lo. Afinal, você tem um nome a preservar. Imagine se as pessoas da Capital fiquem na dúvida de sua honestidade? E os negócios que poderão ser anulados?

—O que quer dizer com isso?

—Meu caro, só digo o que ouço, mas você sabe muito melhor do que eu o que essa gente é capaz! Se eu fosse você, eu iria encontrar-se comigo. Acho muito melhor comigo do que com a polícia, porque vai acabar nisso, pelo que ouvi daquele homem. Vou deixar o meu cartão, meu número do celular. Até lá, você pensa e decide o que achar melhor, ok? Mas saiba que não estou contra você, até mesmo porque não costumo fazer julgamentos!

Júlio afasta-se em direção ao jardim, saindo do refeitório onde o médico se encontra. Os colegas já estão se retirando para as suas tarefas. Quando está atravessando as vielas que o separam do portão para a rua, passando por uma pequena capela, percebe que alguém se aproxima rapidamente, em sua direção. É Ricardo, que o convida a entrar na capela.

A capela está na penumbra e não ninguém lá dentro. Sentam no último banco e o médico é o primeiro a falar.

—Acho melhor não encontrá-lo hotel. Vou dar muita bandeira.

—Você é quem sabe, meu rapaz. Apesar que você estando lá, ficaria até natural nos encontrarmos.

— Mas já que existe uma investigação, é melhor que saiba tudo e por mim.

—Ok, sou todo ouvidos. Você é um homem de bem, já percebi.

—Obrigado.É o seguinte: eu realmente estava namorando a Taís, se é que se pode chamar de namoro, alguns encontros em poucas semanas. Mas que seja. De todo modo, a verdade é que desde que cheguei aqui, ela não me deixou em paz, tinha verdadeira fixação por mim. Cismou que eu me apaixonaria, que ficaria ao seu lado, que jamais a deixaria, mesmo eu dizendo que tinha namorada na capital, que nao queria nada com ela. Inclusive disse que abandonara um namorado por minha causa, era um cara que trabalhava na oficina, parece que se chamava Paulo, não importa. Mas o fato que até com isso, me incomodei, porque o cara passou alguns dias me perseguindo, até que decidiu me deixar em paz. Não vou negar que me senti atraído, mas inicialmente, eu não queria nada com ela. Ela não desgrudava de mim! Ela apenas estudava e de repente inventou de trabalhar no hospital, fazendo faxina. Não sei como conseguiu a vaga tão depressa, deve ter mexido os pauzinhos. Ela mudou a minha vida a partir daquele momento. Não me deixava respirar, se envolvia nas minhas coisas, mexia até no meu celular, quando eu menos imaginava. Até que aconteceu. Uma vez, nós transamos e eu decidi que ela deveria me deixar e desaparecer da minha vida. Nos encontramos algumas vezes, mesmo ela sabendo que logo que me estruturasse na cidade, traria a minha namorada para cá, e isso eu deixava bem claro para ela.

Depois da saraivada de acontecimentos e queixas, Júlio engendrou a primeira pergunta: – Você passou a odiá-la?

Ele pareceu não respirar por um momento. Quando respondeu, fazia-o num desabafo. – No início, não. Eu até gostava dela, só detestava aquela insistência. Mas por fim, eu acabei odiando-a sim.

—Então, você tinha motivos para matá-la.

—Pelo amor de Deus, vou matar uma garota só porque me perseguia, que queria ficar comigo a qualquer custo! Era só umca cabeça-oca, uma infeliz, coitada. Sou um homem que salva vidas, detetive, não as tira!

— Você há de convir que preciso fazer todas as perguntas para observar as reações dos interrogados. Por outro lado, acho que não é motivo de tanto ódio. Bastava dar um chute nas intenções da moça e acabar por aí.

— É que o senhor não a conhecia. Hoje, passado algum tempo, acho que ela era uma psicótica. Não era normal a maneira como me tratava, como se eu fosse um objeto, um bem que não queria partilhar com ninguém. Taís era doente.

— Pensando bem, a sua reação foi bastante estranha.

— O senhor parece estar contra mim. Como pode pensar que eu faria uma coisa dessas? Eu jamais tive intenção de lhe fazer mal!

—Eu não pensei em nada, caro Ricardo. Mas, me diga, naquele entardecer cheio de neblina, você foi dar uma volta, próximo ao rio. Na mesma hora em que Taís foi assassinada ou se matou, não sabemos.

—Não, eu não fui.

—Não foi? E o que me diz da mensagem do celular dela em que marcara o horário de 8:30 para encontrá-lo lá, na beira do rio?

—Não, claro que não, dei uma volta pelo bosque, ali perto. Uma longa volta para esfriar a cabeça. Como lhe disse, ela era maluca, estava sempre me chamando.

— Por que você queria esfriar a cabeça?

—Sr. Júlio, um médico tem seus momentos de stress, de decepção. Naquele dia, eu perdera um paciente e estava muito nervoso.

—Então não tinha nada a ver com Taís e sim com a perda do seu paciente?

—Não, eu já disse que não!

—Então como explica a mensagem no celular da moça? Nega tê-la mandado?

Ricardo faz um pequeno silêncio. Sente-se perdido, como se a acusação contra ele ratificada a cada justificativa. Por isso, insiste em esclarecer o que sabe.

—Não, o senhor tem razao. Eu a enviei, sim. Taís me pediu que fosse encontrá-la e insistiu muito. Não sabia o que fazer, por isso escrevi a mensagem. Mas eu não fui. Achei melhor não ir. Pretendia ir a Porto Alegre no dia seguinte e achei melhor não falar com ela. Sei que errei e o que aconteceu com ela foi terrível. Nunca poderia imaginar que ela fosse capaz de tirar a própria vida! Eu me sentia culpado, não conseguia trabalhar.

—Então, mesmo não atendendo o pedido, você passeou próximo ao local, ou seja, no bosque próximo ao rio, o que há de convir, é uma certa incoerência.

—Eu já lhe expliquei isso. Além disso, costumo caminhar pelo bosque, não é um fato incomum. Levo os tênis na mochila, pego um abrigo e caminho por algumas horas.

—Sabe de alguém que o viu nesta caminhada?

—Acho que não, estava muito solitário. Poucas pessoas caminham a esta hora. Além disso, estava um entardecer muito sombrio, havia muita neblina.

Júlio perguntou se não havia nenhum fato importante que Tiago gostaria de contar-lhe. Com a negativa, ele mesmo decidiu fazer-lhe mais uma pergunta.

— Você falou num tal de Paulo, um namorado antigo de Taís. O que aconteceu com ele?

—Como assim? Pelo que eu saiba, continua trabalhando na na oficina. Me deixou em paz, graças a Deus, desde que tivemos uma conversa.

— Ah, tiveram uma conversa?

—Sim, um dia me enchi com aquela perseguição, ele me fechando no trânsito com a moto, mandando recados pelo celular, e decidi ir até a oficina falar com ele.

—E aí?

—Parece que entendeu a situação. Que a menina não queria mais nada com ele e que eu não tinha culpa. O problema era deles. A partir daí, ele nunca mais me procurou.

—Júlio ouviu a conversa e prevendo que não haveria mais nada importante a ser dito, apertou-lhe calorosamente a mão e se afastou.

Antes, persignou-se e ajoelhou-se por um minuto próximo à porta de saída da capela.

Enquanto fazia isso, Ricardo passou por ele rapidamente e desapareceu em direção ao hospital.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …