Pular para o conteúdo principal

O papeleiro, a biblioteca e a Instituição Acadêmica

 

Esta crônica foi publicada no Jornal do Cassino, em 2009. Pela atualidade do tema, achei conveniente publicá-la também neste blog.

O artigo da jornalista Marielise Ferreira, na edição de domingo, 30/12/08, de Zero Hora, traz o texto sugestivo “Do lixo para as prateleiras, com o seguinte subtítulo: papeleiro funda biblioteca em Passo Fundo e leva a literatura à periferia.

No decorrer do texto, deparei-me surpreso e ao mesmo tempo emocionado com a atitude do Sr. Valdelírio Nunes de Souza, homem de origem simples, que estudou até a 5ª série fundamental, cuja sensibilidade aliada ao reconhecimento da importância dos livros, (os quais considera tesouros) abdicou do lucro de sua venda, para constituir uma biblioteca, visando compartilhá-la com os seus.

Nesta altura, fico me perguntando, enquanto bibliotecário e servidor público, o que temos feito com as nossas bibliotecas, o quanto de importância dedicamos a sua estrutura, ao seu acesso, à disponibilidade da comunidade.

Talvez nos dediquemos com profunda dedicação às atividades cotidianas da biblioteca, desde o processamento técnico dos documentos até a sua distribuição no acervo físico.

Quem sabe falta-nos uma integração maior entre os pares, uma mesma expectativa que conduza à mudança, que tire a poeira antiga dos velhos padrões. Talvez nos falte a sensibilidade e a ousadia do enfrentamento da realidade que nos cabe, imposta pelo mundo globalizado, cujas políticas desastrosas de governos anteriores nos transmitiram como herança jamais desejada. Talvez nos acomodemos no cenário de dificuldades que nos cerca e não bisbilhotemos a disposição do vizinho, o projeto “elencado” entre outros tantos para a transformação da realidade. Talvez não saibamos reivindicar nossos direitos e se o fazemos, somos barrados incólumes, por uma cultura ultrapassada e adversa de que recebe quem grita mais (ou chora mais).

Por outro lado, estas divagações me reportam às propostas dos candidatos a cargos superiores das instituições, que via de regra, em suas plataformas políticas, metaforizam a biblioteca como elemento aglutinador da comunidade acadêmica, utilizando-se exaustivamente de figuras criativas, produzindo apostos que a relacionam a órgãos nobres do corpo, quase sagrados. São estes: o cérebro, o coração, a própria mente, quando não muito, o subconsciente ou quem sabe, com o evoluir do abstracionismo mental, o próprio espírito subjacente que paira na atmosfera da academia.

Entretanto, se me parece, estes órgãos e demais processos psíquicos e até espirituais, aos poucos perdem o seu poder de barganha, sendo substituídos por um órgão mais obscuro, não tão elevado, talvez um excretor, não que este não possua extrema importância no desempenho do corpo humano.

Se não vejamos, experimente o leitor acessar a página da biblioteca em um portal de uma instituição educacional. É uma tarefa quase inglória, caso não tivéssemos a pertinácia e desenvolvêssemos uma performance física para tanto. (E aqui falo em dezenas de instituições pesquisadas, excetuando-se a Furg, que já colocou em sua página um link para a biblioteca). Em geral, o nome biblioteca, que às vezes, surge emoldurada por serviços, centro de bibliografia, rede de informação, vem tão escondido que tememos tratar-se de palavrão, proibido a crianças desavisadas ao mergulharem no mundo da informação.

Não me absolvo enquanto profissional da área, porque atirado na rotina das questões pontuais, prescinda de utilizar os recursos de marketing, empregando as ferramentas indispensáveis para mostrar a biblioteca ao mundo, colocando-a no lugar em que merece, seja através de blogs, fóruns, ou na solicitação insistente aos órgãos responsáveis pela divulgação, corroborando assim na luta ferrenha para mostrar nosso trabalho.

Que a biblioteca não seja propagada, abençoada, aliciada, almejada, amada somente nos períodos de eleição, mas que seja plena, visível e alicerçada em suas metas, durante o ano todo. Que cumpra a sua missão, que identifique os seus recursos, que indique caminhos, que vislumbre trajetórias novas e ágeis, que ouse.

Talvez, assim, sigamos o exemplo do Sr. Valdelírio Nunes de Souza, um verdadeiro bibliotecário, cujo único título é reconhecer na sua concepção de vida, um projeto maior, no qual faz as escolhas que seu coração exige. Não apenas um especialista em sua área singular, um mestre na redoma ou um doutor em campanha.

Que sejamos assim, Valdelírios em nossa trajetória profissional e de vida, porque o mundo não espera, a roda das oportunidades e decisões gira e outros tomarão o nosso papel.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …