Pular para o conteúdo principal

O cliente na cadeira elétrica

Cortar o cabelo, via de regra não é uma tarefa fácil, principalmente quando os fios no alto da cabeça já são esparsos. É necessário todo um gerenciamento de medidas para que o desenho fique uniforme e a cabeça não destoe do desejo do dono do cabelo.

A bem da verdade, os barbeiros e cabelereiros parecem ter as suas regras já estabelecidas, a ponto de não se preocuparem com as urgências dos clientes. Concordam com os pedidos, fazem uma espécie de desapropriação de qualquer estética ou algum resquício de vaidade. Já tem seu repertório próprio.

Mexem os fios para cá, para lá, invadem a humilde moleira, levando-os para trás e fazendo verdadeiras manobras para encontrarem o estilo ou mesmo para se encontrarem no presumível corte.

Não se importam com o olhar arredio e até apavorado do cliente. Ao contrário, fazem questão de cometer pequenas inconfidências, de preferência que o público presente ouça e até interaja com o pobre coitado que está lá, na cadeira elétrica.

Perguntam de soslaio, como se agissem de uma forma natural e que deveria ser acompanhada pelo interlocutor. A sua tinta é nacional? Como está seco o seu cabelo! Vai precisar de uma boa hidratação!

Mesmo que o cliente faça sinais, senhas, ponha a mão na boca e se recuse a falar, eles continuam implacáveis. Se eu fosse você fazia um upgrade.

Upgrade? Do que ele fala? De informática? Um alongamento na franja seria o ideal. Já que o senhor é um homem vaidoso (quem disse que é vaidoso?), seria bom colocar um bom chumaço aí pra esconder a careca. (Que careca? São apenas entradas um pouco mais abastadas).Na verdade, se tivesse dinheiro ( agora o chama de pobre), o melhor seria fazer um implante. Mas acho que não vale à pena. Vai ver que um dia o senhor resolve parar de pintar o cabelo e fica aquela mancha preta pra toda a vida. Muito artificial.

Depois de uns bons minutos de papo, ele se cala. Suspira depressivo. Resmunga consigo. Mas ainda assim, os demais o escutam.

Com este cabelo, vai ser difícil fazer um bom corte. Quem cortou pela última vez? Ta todo despontado? Caso o cliente afirmasse que teria sido o próprio, seria sempre uma inverdade e não adiantaria nada. Certamente uma desculpa viria em seguida.

Uma falta de cuidado geral, quem sabe o senhor usa uma pomada para reparar os fios, lava com um bom shampoo, usa um creme e deixa secar naturalmente. O secador queima muito as pontas, principalmente cabelo tingido.

Eu finjo ler o jornal, levanto por um segundo os olhos. Tento ser solidário, pois a minha vez vai chegar. Abro a boca para perguntar alguma coisa, mas sou interrompido pelo cabeleiro no mesmo momento.

– O senhor vai lavar e cortar ? – sim, seria o certo, mas no fundo, quem decide é ele –  ah, porque seco do jeito que está, o melhor mesmo seria condicionador com profundidade, uma boa massagem e um tratamento capilar adequado.

Antes que repita que está seco por causa das tintas, melhor insistir em abrandar a situação. Quem sabe falar em shampoo, um tonalizador apenas para minorar a brancura que cobre a cabeça. Não, sem pintura, apenas um shampoo. Não percebeu? Sabe, aquele cinco minutos? Eu também detesto tintas, fica muito artificial em homem, e depois, não fica bem, só para os artistas. A gente fica mais velho e os tons ficam muito diferentes.

Eu, ainda na plateia, deixo o jornal de lado e decido perguntar, enquanto os outros três que estavam quietos nas poltronas defronte do espelho, levantam as cabeças quase em uníssono. – Certos cortes atenuam as entradas, não?
Sem respostas. Impossível concluir ou mesmo começar. O cabelereiro tem a plenitude do poder ditatorial e perene. Insiste no tema: nem pensar! Nada vai disfarçar isso aqui! É tinta da grossa! E o pior, é daquelas compradas em supermercados, as mais vagabundas!

Contra fatos não há argumentos.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …