Pular para o conteúdo principal

O DOCE BORDADO AZUL - 27º CAPÍTULO

Nosso folhetim está chegando ao fim. Hoje, apresentaremos o 27º capítulo, faltando apenas dois para o encerramento. O último capítulo tem o número 29. Lúcia descobrirá o corpo de Gustavo no quarto amarelo? Ele terá realmente morrido? Quem matara Irmã Carlota? Que acontecerá a Lúcia? E a Laura? A quem se destina o doce bordado azul? Na próxima quinta-feira, a sequência desta história eletrizante, como se anunciava antigamente.

Capítulo XXVII

Um diálogo reticente

Quando a encontrou desmaiada, Lúcia sentiu uma fisgada no peito. Não tanto pela situação deprimente, vendo-a fragilizada, sozinha, estirada no chão, mas principalmente porque sentia-se culpada, como se a houvesse traído. Ali estava ela, com a boca entreaberta, os olho semicerrados, perdida em seu mundo interior. Fez todas as tentativas para acordá-la, mas era em vão. Por fim, pensando em chamar o serviço de emergência, ouviu um gemido. Correu ao seu encontro e a viu abrir os olhos. Laura sinalizava alguma coisa, levemente com a mão, mexendo os dedos, mas a impressão que se tinha é que não reconhecia o ambiente. Estava angustiada, querendo dizer alguma coisa que não se atrevia. Molhava os lábios com a língua, apertando-os, impulsiva. Nos olhos, pequenas partículas de vidro cortavam-lhe continuamente a córnea, opacificando-a e causando uma dor interminável. Era a sensação que lhe causava a luz da janela. Quando viu Lúcia, porém, seu coração sossegou. Sua filha, ao seu lado, significava o respaldo para as suas vicissitudes. Então não estava sozinha.

Lúcia a olhava com um traço de aborrecimento, uma nuvem que ela não conseguia identificar corretamente. Perguntou o que lhe havia acontecido.

– Por favor, mamãe, fique quieta. Eu vou logo ajudá-la a levantar-se.

Laura percebeu que estava no chão, então sorriu, fingindo uma serenidade que não possuía.

– Agora dei para ter estes chiliques. Imagine, você.

– Mas não é normal, mamãe. Precisamos averiguar isso. Logo que melhorar, precisamos fazer uma consulta.

Depois de um pequeno silêncio, Laura parece ter lembrado de uma coisa imprescindível, sobre a qual precisa tomar providências. Falou baixinho, os olhos arregalados, saltando das órbitas.

– Lúcia, não posso ficar aqui, parada. Tenho que fazer uma coisa.

Lúcia a ajudá a levantar-se. Arrastou uma cadeira e ajoelhou bem próxima, segurando-lhe o braço. Sabia que não poderia erguê-la, por isso exigiu que sustentasse o corpo no braço esquerdo, para poder sentar-se. Laura obedeceu e em seguida, estava sentada na cadeira, ofegante.

– Fique um pouco aqui, quieta. Vou lhe trazer um copo d’água.

– Eu preciso tomar uma providência.

Lúcia voltou-se, irritada – o mundo não vai acabar. Fique calma.

Laura resmungou – você é que pensa. Já acabou.

Lúcia não lhe deu ouvidos. Voltou com o copo d’água e puxou outra cadeira, sentando-se a sua frente. Ficou um tempo observando a mãe, via-lhe os cabelos revoltos, caídos sobre a face muito pálida. A boca enfiada no copo, cujos lábios em torno da borda davam a sensação de uma dificuldade extrema de engolir. O peito arquejava. Fitava-a desconfiada.

Lúcia abaixou a cabeça, contrafeita. Tinha a impressão de que Laura sabia de tudo. Ela era imprevisível, sempre pronta a dar a última palavra, conhecendo todos os segredos, fuçando os destinos, desatando os silêncios.

Laura entregou o copo, que ela pegou rapidamente, como se lhe fosse dada uma ordem intransferível. Ficou segurando o copo junto ao corpo, pensativa.

Laura comentou, desinteressada: – você está cansada.

Lúcia não respondeu. Olhou em torno, desconhecendo as paredes. Aquela peça estava deixando-a nervosa. Era uma situação constrangedora, ficar ali, na frente da mãe, sem ter o que dizer. Então, pensou que seria melhor se acomodarem na sala.

Laura concordou e afastou-se cambaleante, dispensando o braço que Lúcia oferecia. Lúcia a seguiu de perto, deixou que sentasse em sua poltrona. Observou que procurava os tecidos que estavam sempre por ali, espalhados pela mesa, pela poltrona e até alguns pelo chão, sobre o tapete. Mas havia um, em especial, cuja ausência ela reclamava com os olhos. Lúcia conhecia a mãe, sabia que se faltava algum bordado em que estava trabalhando, se tornava desvairada de raiva. Deixou-se ficar ali, na soleira da porta, observando a cena, sem nada dizer. A qualquer momento, a mãe lhe chamaria a atenção perguntando pelo bordado. Nestes momentos, ela parecia um animal qualquer imiscuindo em tocas, revolvendo-se no lixo, procurando a caça. Ficava assim perdida e cega em seu empenho que nada via a não ser o que registrava na mente, cada vez mais irada e irrequieta.

Então, Laura levantou a cabeça e exclamou com voz rouca e ofegante – o meu bordado azul!

Lúcia não se atreveu a responder. Limitou-se a acompanhá-la na busca, ajoelhando-se perto dela e revirando os panos que estavam no chão, examinando-os minuciosamente, tentando identificar o que procurava com tanto afinco. Laura a impediu, segurando-lhe com firmeza, o braço: – não está aqui!

– Como sabe?

– Porque é um tecido grande, de dois metros mais ou menos. Eu apenas bordei uma extremidade – nisto ela parou subitamente a frase, lembrando onde tinha deixando o bordado. Estava no quarto amarelo. Estava atirado à cama ou talvez caído ao chão, sujando-se de poeira e talvez até sangue. Ficou apavorada, sem saber que atitude tomar. Levantou-se e sentiu a cabeça girar, assustada, temendo perder os sentidos novamente. Voltou a sentar-se, repetindo sem cessar: – meu Deus, e agora? O que vou fazer?

– Mamãe, que está acontecendo? Que tanta importância tem este bordado para a senhora, para deixá-la tão tensa, como se o mundo fosse acabar?

Laura a encara com um olhar insano e doentio. Lúcia afasta-se um pouco, senta no sofá, a sua frente, esperando uma explicação, mas Laura a questionava, considerando espantosa a falta de sensibilidade da filha.

– O mundo já acabou, sua tonta. O mundo acabou e você nem percebeu! Como pode me fazer esta pergunta absurda. É o meu bordado azul, que estou trabalhando há dias, com tanta dedicação e carinho. E agora, você vem me perguntar que importância pode ter pra mim? Toda a importância do mundo, só você não enxerga.

Lúcia esfrega uma mão na outra, baixando os olhos e a encarando de vez em quando, tentando articular alguma coisa. Acrescenta displicente: – a senhora tem tantos aí, por que não pega outro?

Laura está desequilibrada. Se pudesse, atirar-se-ia ao pescoço da filha e a esganaria para que jamais repetisse tamanha estupidez. Mas, como não poderia isso, chorou desconsolada, repetindo que não poderia perder aquele bordado e que precisava resolver as coisas o mais breve possível. Lúcia, penalizada, aproximou-se dela e acariciou-lhe os cabelos, quieta, percebendo que ela a olhava, como se Lúcia jamais a pudesse compreender.

– Lúcia, me faça um favor. Me traga uma bebida forte, uma vodca, uma cachaça, qualquer coisa, que me acalme, que me limpe a garganta e me tire este soluço, que está me matando.

Lúcia ia refutar o pedido, mas não teve coragem. Pesquisou na geladeira uma cerveja e trouxe, num copo, com a espuma escorrendo pelos dedos. Laura replicou que queria uma bebida forte e ela lhe trazia uma cerveja.

– Não sabemos o que você tem. Está muito estressada, é melhor não beber nada forte agora. Até porque não comeu nada, você não almoçou, pelo que eu saiba.

Laura pediu que a deixasse sozinha. Lúcia obedeceu. Também ela não tinha nada a dizer, pelo menos por enquanto. Por isso afastou-se para o seu quarto.

Atirou-se na cama e deixou-se ficar assim, parada, olhando para o teto, respiração mais forte, sentindo o pulsar do coração bem próximo à garganta. Pensou na mãe, concluindo que Laura não é mais a mesma mulher forte que sempre esteve ao seu lado, tomando a atitude que bem entendia, fazendo coisas surpreendentes, intrometendo-se em sua vida. Agora ela estava ficando velha e decadente. O pote tinha chegado ao limite, ao extremo de sua capacidade. E o que ela fez em toda a sua vida, foi enchê-lo de ilusão, de sentimentos falidos, de uma vida falsa e fatalmente a estava conduzindo para esta loucura.

Lembrava os momentos que passara com Bárbara, olhando aqueles terraços vazios, ao longe, sentindo com ela a melancolia que envolvia a sua vida, tão triste e vazia quanto a dela. Lembra de suas palavras, da dor intensa que sentira quando confirmara tudo em relação à mãe, quando contara que em todos estes anos, Laura se passara por ela, sugara a sua vida, vivendo-a por ela.

Lúcia empalidecera. Ajeitava de maneira involuntária os cabelos que crescidos, caíam-lhe aos ombros. Apertava os lábios finos compulsivamente, quase fazendo-os desaparecer do rosto. Os olhos grandes pareciam maiores, surpresos que estavam, fitando a outra como se esperasse uma conclusão diferente do que pensava, que tudo não passava de uma brincadeira idiota e que sua mãe jamais teria cometido ato tão absurdo. Mas aquele telefonema confirmava tudo. Laura não tinha como. Nem imaginava que Lúcia estava ali, bem próxima à Bárbara, ouvindo tudo e descobrindo o que fizera.

Bárbara estava agitada. Os olhos fundos salientavam olheiras intensas. A dor não amenizava e esta volta ao passado a conduzia a um abismo que não tinha fim. Mas era necessário, não por ela, que já não ligava para quase nada, mas por Lúcia, que percebera tão só e desamparada quanto ela. Naquele momento, eram duas pessoas estranhas, com passados totalmente diferentes, embora ligadas por fatos comuns na adolescência.

Lúcia estremece relembrando aqueles fatos e embora se sinta culpada por ter enganado a mãe, fingindo ir ao convento e ter ido à casa de Bárbara, não consegue esquecer que ela sempre a dominou e sempre manipulou a sua vida. De repente, as histórias começam ter algum sentido e até a morte de Irmã Dolores lhe vem à mente como se pudesse haver alguma influência de Laura no acontecimento. Ela a acusou certa vez de a ter matado e parecia conhecer tudo a cerca do convento. Estas elucubrações a assustavam. Não podia imaginar a mãe uma mulher fria, capaz de cometer qualquer ato cruel. Aqueles pensamentos persistiam em atormentá-la, por isso havia tomado uma decisão. Iria até o fim e faria o que fosse necessário para descobrir toda a verdade, mesmo que a atingisse.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …