Pular para o conteúdo principal

APRESENTAÇÃO E SINOPSE DO ROMANCE “O DOCE BORDADO AZUL” PUBLICADO ÀS TERÇAS E QUINTAS NO BLOG

Todas as terças feiras e quintas publico neste blog um ou dois capítulos em sequência do romance “O doce bordado azul “, de minha autoria. É um romance de 30 capítulos, os quais pretendo postar até o início do mês de dezembro, deste ano.

Este romance foi uma tentativa de representar a alma feminina, o que foi bem difícil para mim, através de mulheres com histórias e perspectivas bem diferentes entre si. Começo com a protagonista Lúcia, que tem uma relação quase simbiótica com a mãe, ao mesmo tempo que se acha superior em suas atitudes, podendo inclusive manipulá-la, mas na verdade, o contrário ocorre, pois Laura, a mãe, parece ter ferramentas bem mais sedimentadas em sua mente perturbada.

Compondo o universo feminino, temos Bárbara, a bailarina que volta de Minsk, a capital da Bielorrússia, cujo marido morrera num trágico acidente. Lá, morando num condomínio ocupado pelos foragidos do desastre nuclear de Chernobyl, onde criaram um bairro com vários prédios de apartamentos, ela vivera feliz com o seu Alexei, mas a tragédia sepultara de vez toda a carreira de bailarina e professora que construíra naquele país. Madalena, que possui um segredo que parece ao mesmo tempo juntar o grupo e desconstruir o resto de memória que existia no passado. Um segredo que pode destruir sua família e a reputação do convento. Também há Ana, que morrera, mas cuja presença permanece no convívio de todos.

Neste cenário de encontros e desencontros, influem no processo de suspense e segredos inconfessáveis, as freiras que participaram da vida das adolescentes, hoje mulheres que tocam a sua vida, retomando a um passado que gostariam de ver enterrado em definitivo.

Lúcia era a única, que após o convívio escolar, permanecera em contato constante com o convento e que através de suas estratégias um tanto insanas, tentava influir no destino de seus residentes, em proveito próprio.

Os homens que surgem no decorrer da trama parecem estar fadados à falência emocional e física, porque os interesses femininos vão além das relações puramente sociais. Um deles é Gustavo, o novo vizinho que se interessa por Laura, a quem ela devota todo o seu empenho em manifestar a sua sede de supremacia feminina, através de uma visão distorcida da realidade. O homem parece a presa fácil a seus objetivos criminosos.

Por fim, ficam as perguntas: conseguirá Lúcia livrar-se do domínio da mãe ou se unirá a ela em seus objetivos escusos? Que segredo terrível a irmã Dolores pretendia elucidar, através da carta, tentando unir as antigas colegas de escola? Que levara Bárbara a afastar-se para Minsk, sem relacionar-se com as amigas que deixara no Brasil? Qual seria o motivo que faria desandar o casamento de Madalena e por que Lúcia pretendia tirar proveito disso? Por que Laura queria ser cúmplice de Lucia em suas elucubrações criminosas? O que ela sabia da filha? O que faria para salvá-la?

Com o desenrolar do romance, crimes acontecem e os motivos são tão inesperados quanto o encontro forçado das amigas tanto tempo afastadas. Acompanhe os demais capítulos e saiba todas as respostas, bem como o desfecho da trama de suspense.

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

O URUGUAI E SEUS CARROS ATRAENTES

http://O URUGUAI E SEUS CARROS ATRAENTES

O Uruguai é um país muito bonito e como integrante da América, cheio de contrastes, sem dúvida. Mas o que me chama a atenção, sempre que visito aquele país, além da hospitalidade e elegância de seu povo, é a a maneira como as autoridades de trânsito permitem que determinados veículos sejam dirigidos nas estradas. Na verdade, a obediência às leis me parece muito bem orientada. É um povo tranquilo, que conduz seus veículos obedecendo as regras. Todavia, o que sempre me deixa intrigado são os inúmeros carros velhos, danificados, em precárias condições para transitar, que ainda vez que outra surgem nas rodovias. Por isso, tirei algumas fotos para ilustrar esta curiosidade. É uma peculiaridade de comportamento, da qual é provável que sirva de tema a muitos blogs, no entanto quero deixar aqui, às vezes a minha perplexidade, por observar estes “automóveis” andando.
Em tempo: estou torcendo pelo Uruguai, nesta copa, assim como muitos brasileiros, ac…