Pular para o conteúdo principal

O mundo evoluiu?


Às vezes, me pergunto o que está havendo com as pessoas, com os jovens que, de certa forma, ditam as regras da sociedade em que vivem (pelo menos nos grupos que participam e nos quais exercem grande influência). Provavelmente, minha avó teria este mesmo pensamento de dúvida e estarrecimento,  na época em que todos éramos  jovens e gritávamos aos quatro ventos as nossas angústias, os nossos objetivos bem calcados em modelos distantes de sua experiência, numa vanguarda que muitas vezes assustava. Talvez coisas bem mais brandas, como deixar o cabelo comprido, a barba por fazer, um cinturão de couro na cintura, uma calça santropê, com uma nesga do lado da perna. Por outro lado, havia as discussões filosóficas intermináveis, as procuras por novos caminhos na política (para alguns), a leitura dos grandes autores e entrar de cabeça nas novas ideias, os desejos de ser livre a qualquer preço, de sair do jugo dos pais, dos professores, dos mais velhos. Não se confiava em quem tinha mais de 30, naquela época, porque em geral, eram os donos dos mesmos preconceitos, da busca desenfreada pelo vil metal, da luta diária de manter o status quo. Tínhamos sonhos de amor livre, da “liberdade” das drogas, do altruísmo de construir uma sociedade de iguais. Hoje, nós absorvemos o que de bom ficou e descartamos o que nos prejudica (nem todos), mas ficou uma mudança de valores, de paradigmas, de evolução do mundo, de amor pela natureza, de solidariedade humana. Agora, porém, os mais velhos também estão estupefatos, mas não porque alguém luta por mais avanços progressistas, ou que haja uma vanguarda nos pensamentos da humanidade. Ao contrário, parece que estamos enveredando pelo caminho das trevas, como na Idade Média. Hoje em dia, as pessoas postam comentários a favor de justiça com as próprias mãos, como no caso da jornalista do SBT, subproduto desta mídia reacionária com o slogan “adote um bandido”, debochando dos direitos humanos. As pessoas espancam os pobres e principalmente os negros, sempre confundidos com marginais. Agridem jogadores de etnia africana, fazendo bullying, com exclamações humilhantes. Atingem idosos nas ruas, extrapolam no trânsito, com uma fúria selvagem, como se todos os demais fossem apenas obstáculos no seu trajeto, elogiam os ditadores, fazem analogia à ditadura, vestem-se de nazistas para torturar homossexuais ou quaisquer pessoas que fujam aos padrões étnicos ou sociais por eles aceitáveis, fazem homenagens a Hitler, como o que aconteceu em Itajaí, SC, os homens assediam as mulheres nos metrôs, em lugares públicos, como bárbaros, os adolescentes não conseguem decifrar o que leem (quando leem). A involuçao parece cíclica. O homem, ao invés de avançar, regride terrivelmente e o pior de tudo, os jovens que deveriam manter a vanguarda dos movimentos, estão entrincheirados na fronteira da ignorância. Graças a Deus, não são todos. 

A ilustração é do site http://contosdalua2014.blogspot.com.br

Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …