Um dos livros que me despertou para a leitura: Tiradentes de o Aleijadinho

http://kbi
Pensar num livro que povoou a minha infância me faz reviver sensações intensas, talvez um pouco de saudade do período das descobertas, de considerar tudo grandioso, de aguçar a curiosidade em torno de qualquer tema. E, no caso, um tema de história, uma história romanceada, como se fazia na época. Trata-se do livro “Tiradentes e o aleijadinho: as duas sombras de Ouro Preto”, de Sérgio D. T. Macedo, um autor que costumava escrever para a juventude. Alguns de seus livros são “As mais belas histórias da mitologia”, “As cruzadas: o romance da Idade Média”, “A guerra dos cem anos”, “Caçadores de tesouros: o romance das escavações”, “Memórias do Rio”. Atualmente, pouco se sabe deste autor, embora nos sebos virtuais e em livrarias ainda existam muitas obras disponíveis. De todo modo, aquele mundo criativo, no qual passávamos a amar os heróis e entender a narrativa histórica como uma ocorrência de acontecimentos extraordinários, talvez tenha deixado esta vontade de perscrutar a sociedade e os movimentos políticos com olhos mais afoitos, mais incisivos, mais instigantes. Não aqueles olhos de criança, cheios de expectativas e curiosidade, mas os olhos de quem busca uma forma de encontrar se não heróis, pelo menos, cidadãos de caráter. Eram tempos de ilusões, de buscas, de alegria. Tempos em que mergulhávamos na leitura com uma ansiedade de quem hoje navega na internet. Mas havia antes de tudo, muito mais do que a interatividade virtual da atualidade, o relacionamento com o próximo, com os bons hábitos, com a profusão de ideias que emanavam dos livros e das discussões em sala de aula. Não éramos santos, em absoluto, mas praticávamos com desconhecida sabedoria, o ato de viver. Nossa imaginação voava em saltos e se perdia em sonhos, tal como o parágrafo que encerrava o livro, que sugeria quase num sussurro, ao nosso ouvido, a trajetória dos personagens, ali, tão próximos de nós. “Então, se a gente fechar os olhos um instante e deixar o pensamento recuar para muito longe, para bem distante no tempo perdido, verá muita coisa interessante acontecer... Verá que pela rua detrás da matriz de Antônio Dias, passa um escravo forte, carregando o Aleijadinho todo embuçado na sua capa escura; verá que se acendem as luzes na casa de Marília e ao som da “cavatina” os pares rodopiam no salão imenso, enquanto as moças riem, felizes; verá, que na ponte dos Contos, o poeta Gonzaga parou um instante, declamou um verso, deixou escapar um suspiro e continuou a caminhar, imerso em profundas reflexões; verá Bárbara Heliodora, toda vestida de preto, rindo um riso manso, suave, delicado, enquanto vai desaparecendo na curva daquela ruazinha íngreme, tão íngreme e tão alta, que parece o caminho do céu...” Era assim que a gente aprendia história. mages.blogspot.com/url-code.jpg
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

PIOLHOS DE RICO

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros