Pular para o conteúdo principal

Um dos livros que me despertou para a leitura: Tiradentes de o Aleijadinho

http://kbi
Pensar num livro que povoou a minha infância me faz reviver sensações intensas, talvez um pouco de saudade do período das descobertas, de considerar tudo grandioso, de aguçar a curiosidade em torno de qualquer tema. E, no caso, um tema de história, uma história romanceada, como se fazia na época. Trata-se do livro “Tiradentes e o aleijadinho: as duas sombras de Ouro Preto”, de Sérgio D. T. Macedo, um autor que costumava escrever para a juventude. Alguns de seus livros são “As mais belas histórias da mitologia”, “As cruzadas: o romance da Idade Média”, “A guerra dos cem anos”, “Caçadores de tesouros: o romance das escavações”, “Memórias do Rio”. Atualmente, pouco se sabe deste autor, embora nos sebos virtuais e em livrarias ainda existam muitas obras disponíveis. De todo modo, aquele mundo criativo, no qual passávamos a amar os heróis e entender a narrativa histórica como uma ocorrência de acontecimentos extraordinários, talvez tenha deixado esta vontade de perscrutar a sociedade e os movimentos políticos com olhos mais afoitos, mais incisivos, mais instigantes. Não aqueles olhos de criança, cheios de expectativas e curiosidade, mas os olhos de quem busca uma forma de encontrar se não heróis, pelo menos, cidadãos de caráter. Eram tempos de ilusões, de buscas, de alegria. Tempos em que mergulhávamos na leitura com uma ansiedade de quem hoje navega na internet. Mas havia antes de tudo, muito mais do que a interatividade virtual da atualidade, o relacionamento com o próximo, com os bons hábitos, com a profusão de ideias que emanavam dos livros e das discussões em sala de aula. Não éramos santos, em absoluto, mas praticávamos com desconhecida sabedoria, o ato de viver. Nossa imaginação voava em saltos e se perdia em sonhos, tal como o parágrafo que encerrava o livro, que sugeria quase num sussurro, ao nosso ouvido, a trajetória dos personagens, ali, tão próximos de nós. “Então, se a gente fechar os olhos um instante e deixar o pensamento recuar para muito longe, para bem distante no tempo perdido, verá muita coisa interessante acontecer... Verá que pela rua detrás da matriz de Antônio Dias, passa um escravo forte, carregando o Aleijadinho todo embuçado na sua capa escura; verá que se acendem as luzes na casa de Marília e ao som da “cavatina” os pares rodopiam no salão imenso, enquanto as moças riem, felizes; verá, que na ponte dos Contos, o poeta Gonzaga parou um instante, declamou um verso, deixou escapar um suspiro e continuou a caminhar, imerso em profundas reflexões; verá Bárbara Heliodora, toda vestida de preto, rindo um riso manso, suave, delicado, enquanto vai desaparecendo na curva daquela ruazinha íngreme, tão íngreme e tão alta, que parece o caminho do céu...” Era assim que a gente aprendia história. mages.blogspot.com/url-code.jpg
Postar um comentário

PULICAÇÕES MAIS VISITADAS

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

 TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA
Participávamos de um grupo de jovens religiosos, no final da década de 70. Era um grupo incomum, porque embora ligado à igreja católica, recebia participantes que não possuíam religião definida, sendo um deles, inclusive espírita.  Formava um caldo interessante, porque as discussões, ainda que às vezes, estéreis, produzia muitos encaminhamentos para discussão. Era  realmente um agrupo eclético, e por assim dizer, quase ecumênico. A linha que nos norteava era a solidariedade com o próximo. Queríamos inconscientemente modificar o mundo, pelo menos minorar o sofrimento dos que estavam a nossa volta. Diversos temas vinham à pauta, tais como moradores de vilas paupérrimas, desempregados, idosos do asilo, crianças sem acesso a brinquedos ou lazer. Era uma pauta bem extensa, mas houve um tema que foi sugerido por mim. Tratava-se de se fazer algum tipo de trabalho com os pacientes do hospital psiquiátrico. Houve de imed…

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros

Certa vez, em uma disciplina de um curso de pós-graduação em linguística, avaliamos uma série de adjetivos ou substantivos adjetivados que soam lisonjeiros para os homens e ao contrário, para as mulheres produziam conotação pejorativa, pois a própria palavra utilizada possui juízo de valor, tanto para um lado quanto para o outro. Estas distorções linguísticas são foco de vários estudos de cursos de pós-graduação e muito bem explanadas em vários artigos. Sabe-se entretanto, que a língua é apenas um instrumento que é fruto da cultura dos cidadãos de um país.
Estes adjetivos constituem metáforas que desquafilicam o sujeito feminino e qualificam o masculino. Se não, vejamos alguns exemplos, que foram exaustivamente avaliados em vários trabalhos, mas que cabe aqui, identificá-lo en passant. O adjetivo vadia, para a mulher tem a ver com promiscuidade, assim como vagabunda. No caso do homem, o termo vagabundo ou vadio, tem a abordagem do trabalho, mas pode incluir também um significado pos…

PIOLHOS DE RICO

Há quem adore rico. Certamente não àquele rico de fachada, que aparece toda semana nas páginas de socialite dos jornais ou fazendo campanhas de benemerência, sob alcunhas de bons moços e gente de bem. Gente chic que veste nos grandes magazines (sic) e se atualiza em grifes de marketing.
Há os que adoram gente rica, e não são pessoas ruins ou cidadãos menores. São apenas simplórios.
E também não há nada contra os verdadeiramente abonados, que construiram suas fortunas e obtiveram seus bens com seu trabalho, aumentaram seu patrimônio ou investiram nos que lhes foi legado de direito.
Mas há os que grudam nos ricos, diria que são verdeiros piolhos de rico, cono costumava dizer um colega de trabalho, talvez um pouco incomodado pela sabujice de um ou outro companheiro.
Mas analisando a situação, percebi que piolho de rico é aquele que está sempre grudado numa pessoa abonada, em qualquer esquina que vá, em qualquer cruzeiro pra lhe dar as boas idas (e vindas), em qualquer festa de bodas em …