NOTÍCIA DO JORNAL AGORA COM MANCHETE "COMUNIDADE PALESTINA PEDE PAZ"

Transcrevo aqui a reportagem de Melina Brum Cezar, do Jornal Agora de Rio Grande do dia 21/01/2009 sobre a comunidade palestina, pedindo justiça e paz para o seu País de origem. Uma reportagem emocionante, que mostrou a união entre vários representantes da sociedade numa passeata realizada na Avenida Rio Grande, no Balneário Cassino, levando faixas e cartazes contra o conflito.
“Justiça, paz na Palestina. Não queremos guerra, queremos nossa terra”. Em coro, dezenas de rio-grandinos percorreram um trecho da avenida Rio Grande, no balneário Cassino, no último sábado, 17, para chamar a atenção da comunidade e manifestar repúdio aos ataques israelenses contra a Faixa de Gaza. Após o manifesto, foi realizado um ato religioso pela paz em frente à Igreja Sagrada Família.
A caminhada reuniu integrantes da comunidade palestina que vivem no Município, políticos, representantes de entidades de classe e as comunidades católica, islâmica e luterana. “Nosso objetivo é chamar a atenção dos rio-grandinos e demais brasileiros para o genocídio que acontece na Faixa de Gaza”, explicou o presidente da Sociedade Beneficente Islâmica Árabe Palestina em Rio Grande , José Khattab Hassan. Os manifestantes pediam o cessar-fogo imediato de Israel no local e a criação do Estado Palestino.
Durante a marcha, os participantes ergueram bandeiras palestinas, faixas com pedidos de paz e cartazes com fotos dos ataques no local. “São imagens que a imprensa não tem acesso, porque não pode entrar naquela região. Mas que a internet revela, mostrando todo o sofrimento do povo palestino”, afirma Khattab. Os integrantes da comunidade palestina também foram vestidos com o “hata”, turbante palestino. Alguns deles tinham desenhado o mapa da região e os dizeres “Jerusalém é nossa”.


Entre os políticos, participaram representantes dos partidos PT, PCdoB, PMDB, e PSOL. O vereador Luiz Francisco Spotorno (PT) afirmou que a bancada do Partido dos Trabalhadores apoia as ações de repúdio, à medida que a sociedade precisa se manifestar contra esse conflito que se tornou um genocídio.
Após a caminhada, o sheik muçulmano Mohamad, o pastor luterano Bonato e o bispo diocesano dom José Mário Stroeher realizaram um ato ecumênico em frente à Igreja Sagrada Família em favor da Paz no Oriente Médio. “É muito grave o que acontece na palestina. É um conflito entre dois Estados que já dura mais de 60 anos. Precisamos nos manifestar pela Paz, porque os problemas não se resolvem com a guerra”, disse o bispo. Dom José Mário falou ainda sobre importância das comunidades israelenses e palestinas, que vivem no Brasil, não se deixarem contaminar por essa violência.
A palestina Nascima Jundi veio refugiada durante a guerra árabe-israelense de 1948. Ela conta que sua cidade, Deir Yassin, foi uma das primeiras tomadas pelos israelenses. “Na minha cidade, eles entraram e mataram todos. E hoje ela não está mais nem no mapa político”, afirma. Nascima, que atualmente tem familiares que moram em Jerusalém, retornou de lá há três meses e está chocada com os ataques na Faixa de Gaza. Seu filho Salih, de 43 anos, afirma que ao ver as notícias na televisão se emociona e chora. “Eles estão matando as crianças, mulheres, usando armas químicas. Não obedecem a ninguém, não deixam entrar comida nem água. É horrível, eles têm que parar”, diz Nascima.
Na último dia 13, um grupo de 30 rio-grandinos esteve participando em Porto Alegre de uma caminhada em repúdio aos ataques israelenses em Gaza. O ato reuniu mais de mil pessoas na Capital gaúcha.

Melina Brum Cezar

Fonte: Jornal Agora, edição n. 9233 quarta-feira, 21/01/2009. Rio Grande.
CEZAR, Melina Brum. Comunidade palestina pede paz. Jornal Agora. Rio Grande, 21 jan. 2009. Geral, p.3.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

TRABALHO VOLUNTÁRIO NO HOSPITAL PSIQUIÁTRICO : UMA PROVOCAÇÃO PARA A VIDA

PIOLHOS DE RICO

METÁFORAS CRUÉIS : desqualificação das mulheres e negros